Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Barbot está a negociar compra da segunda empresa em Espanha

O grupo industrial de tintas Barbot está a negociar a compra de uma empresa fabricante de revestimentos em Espanha, uma operação que, disse o presidente da empresa, deverá estar concluída até ao final do ano.

Negócios com Lusa 15 de Outubro de 2009 às 09:36
O grupo industrial de tintas Barbot está a negociar a compra de uma empresa fabricante de revestimentos em Espanha, uma operação que, disse o presidente da empresa, deverá estar concluída até ao final do ano.

“Estamos a olhar para outra empresa, no mercado espanhol, e até ao final do ano o negócio deve estar concretizado”, afirmou Carlos Barbot, à margem do seminário “Crescer, comprando empresas em Espanha”, organizado pela Associação Empresarial de Portugal. Em declarações à Lusa, o presidente do grupo industrial de tintas adiantou que se trata “de um empresa fabricante de revestimentos”, que é vista como uma possibilidade de “consolidação no mercado ibérico e reforço da política de expansão”.

O Grupo Barbot entrou, no início do ano, no mercado espanhol, através da compra de 70% do capital da Jallut Pinturas, empresa do sector das tintas, sedeada na Catalunha, que permitiu à empresa portuguesa alargar o seu portefólio a novos segmentos.

Segundo Carlos Barbot, “Espanha vive uma crise muito maior do que a portuguesa, mas vai recuperar, porque sempre recuperou mais depressa do que nós”. No seminário organizado pela AEP, o empresário defendeu que “este é o momento certo para a aquisição de empresas em Espanha”, porque, acrescentou, “ultrapassados os problemas, vai voltar a haver falta de interlocutores e preços impossíveis”.

O presidente do grupo Barbot recordou que andou anos a tentar entrar, em Espanha, sem sucesso, admitindo que foi a mudança da conjuntura económica que abriu as portas do mercado espanhol.

“Quando o mercado deu a volta, ligaram-me a ver se ainda estava interessado e aí tive a oportunidade de comprar a empresa que mais me interessa e a melhor preço”, contou. Para este ano, está ainda nos planos de Carlos Barbot avançar para a construção de uma fábrica de raiz, nos arredores de Luanda, que permitirá reforçar a produção em Angola. Em declarações à Lusa, o empresário explicou que o actual edifício não responde às necessidades da Barbot, que este ano deverá ter um volume de negócios de 45 milhões de euros, mais dez milhões do que em 2008.

Ver comentários
Outras Notícias
Publicidade
C•Studio