Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

BES e Pastor desmentem negociações para fusão dos dois bancos (act2)

Jornal "Expansion" noticiou hoje que o banco espanhol estava a negociar uma fusão com o Banco Espírito Santo.

Nuno Carregueiro nc@negocios.pt 18 de Janeiro de 2011 às 09:53
  • Assine já 1€/1 mês
  • 18
  • ...
(Actualiza com comunicado do BES)
O Pastor negou a notícia avançada hoje pelo jornal espanhol “Expansion”, de que o banco espanhol estava a negociar uma fusão com o Banco Espírito Santo.

Fonte oficial do Pastor, em declarações à Bloomberg, refere que a notícia é “absolutamente mentira”. Em comunicado à CNMV, o regulador espanhol, o Pastor “desmente claramente a existência das ditas negociações, e como consequência, a veracidade da informação”.

O BES negou também qualquer fundamento a esta notícia. "O BES informa que tal notícia não corresponde à verdade e desmente a existência de tais negociações", refere o banco em comunicado à CMVM.

Num comentário a estas notícias, o CaixaBI salienta que “estes dois bancos têm uma estrutura accionista bastante sólida, o que poderia potenciar e facilitar um contexto de eventuais negociações” e que “uma eventual veracidade desta notícia criaria um banco com cerca 114 mil milhões de euros de activos permitindo a ambos um reforço de escala e de influência geográfica ao mesmo tempo que mantinham a gestão da sua esfera de influência doméstica”.

O BES concretizou no ano passado a compra de 50% do negócio segurador (ramo vida) do Banco Pastor em Espanha e da gestora de activos Gespastor.

Sedes em Lisboa, Galiza e Madrid

A notícia faz hoje manchete do “Expansion”, que dá conta que foi o BES a sondar o Pastor sobre a possibilidade de uma fusão entre os dois bancos.

O Jornal espanhol noticia que ambos os bancos iniciaram negociações nas últimas semanas, estando a estudar a possibilidade de criar um novo grupo na primeira metade deste ano.

Estaria já definido a repartição das sedes do novo grupo, com a gestão bancária em Espanha a ficar na Galiza, de fundos em Madrid e da unidade portuguesa e internacional em Lisboa.

A nova entidade teria activos de 133 mil milhões de euros, com o BES a representar três quartos do novo banco. O “Expansion” adianta que a integração teria que ser amigável, uma vez que o Pastor tem o capital “blindado”, sendo controlado em 40% pela Fundação Pedro Barrie de la Maza, onde Amâncio Ortega, da Inditex, é um dos maiores accionistas.

As acções do Pastor sobem 2,52% para 3,86% e o BES aprecia 1,86% para 2,736. O sector da banca sobe 1,86% e é o que mais impulsiona os índices europeus.

Ver comentários
Outras Notícias