Empresas Branson aconselha Musk: dorme um pouco mais e aprende a delegar

Branson aconselha Musk: dorme um pouco mais e aprende a delegar

Richard Branson, CEO do Virgin Group, e Elon Musk, presidente executivo da Tesla, são dois empreendedores visionários que fizeram história no mundo dos negócios. Mas os dissabores da fabricante de veículos eléctricos, à conta das sucessivas polémicas em que Musk se tem envolvido, levaram a que Branson lhe desse alguns conselhos, nomeadamente aprender a delegar e dormir um pouco mais.
Branson aconselha Musk: dorme um pouco mais e aprende a delegar
Reuters
Carla Pedro 09 de outubro de 2018 às 19:30

Elon Musk tem causado bastante controvérsia nos últimos meses devido ao seu comportamento errático, o que tem feito cair as acções da Tesla e o obrigou abrir mão do cargo de "chairman" da fabricante de veículos eléctricos – ficando apenas como CEO.

 

Perante isto, o presidente e fundador do Virgin Group, Richard Branson, deu alguns conselhos a Musk, quando questionado numa entrevista na CNBC sobre o que diria ao presidente executivo da Tesla.

 

"Penso que ele talvez precise de aprender a arte de delegar", declarou Branson. "Ele tem de arranjar tempo para ele mesmo, tem de arranjar tempo para a sua saúde e para a sua família. Ele é uma pessoa maravilhosamente criativa mas não deve dormir tão pouco. Tem de encontrar uma equipa fantástica que o rodeie", acrescentou à CNBC.

 

Branson disse que parte da razão pela qual tem tido uma "vida longa e prazerosa" se deve ao facto de ter encontrado "pessoas fabulosas" para gerirem as suas empresas, pelo que tem apenas de se concentrar nas questões-chave.

 

Tal como Branson, que se lançou como empreendedor quando era ainda um estudante, tendo depois fundado o Virgin Group (que controla mais de 400 empresas), Elon Musk é visto como um visionário no mundo dos negócios.

 

A credibilidade de Musk era tanta que assim que a Telsa falou no novo Model 3 teve de imediato milhares de encomendas – assim às cegas, mesmo sem se conhecer o carro.

 

Mas, nos últimos meses, isso mudou. O episódio mais recente aconteceu na passada quinta-feira, 4 de Outubro, quando Musk "gozou" com a autoridade reguladora do mercado de capitais dos EUA, a Securities and Exchange Commission (SEC), que o investigou devido aos tweets acerca da saída de bolsa.

 

Musk a descarrilar

 

Musk começou a derrapar de forma mais flagrante há cerca de dois meses. Foi no passado dia 7 de Agosto que disse que estava a pensar retirar a empresa de bolsa a um valor de 420 dólares por acção, levando a uma escalada das acções.

 

No dia 13 de Agosto, Musk ainda escreveu que o fundo de riqueza soberana da Arábia Saudita estava interessado em financiar a Tesla, mas mais tarde acabou por colocar na prateleira quaisquer planos de retirar a empresa de bolsa. Entretanto, o referido fundo decidiu investir mil milhões de dólares na Lucid Motors, que é rival da Tesla.

 

Estes tweets, que mexeram bastante com a Tesla em bolsa, levaram a que o Departamento da Justiça e a SEC levassem a cabo uma investigação criminal, a par com uma investigação de fraude bolsista.

 

Antes deste sai-não-sai de bolsa, Musk já andava a preocupar os investidores devido a "distracções" que não estavam a agradar ao mercado.

 

O resgate na gruta tailandesa

 

Um dos exemplos foi quando a Tesla caiu perto de 4% na sessão de 16 de Julho, com analistas e investidores a revelarem-se preocupados com os comentários de Musk sobre o noticiado resgate na gruta tailandesa.

 

Enquanto decorriam os trabalhos para tentar salvar 12 jovens e o seu treinador de uma gruta na Tailândia, Elon Musk ofereceu um mini-submarino criado pela SpaceX, para ajudar nas operações.

 

Narongsak Osottanakorn, líder da operação de resgate na Tailândia, recusou o mini-submarino, dizendo que não se adequava à tarefa. Musk respondeu no Twitter, a 10 de Julho, dizendo que Osottanakorn não era o especialista naquela matéria.

 

Além de não ter gostado da rejeição do seu aparelho, Musk insistiu e fez a mesma oferta a um dos mergulhadores da equipa de resgate, o britânico Vernon Unsworth.

 

Acontece que também o mergulhador britânico recusou o mini-submarino, tendo dito que não tinha qualquer hipótese de funcionar. E mais: Unsworth disse que Musk poderia meter o seu submarino "naquele sítio onde dói".

 

Elon Musk não gostou e respondeu com um tweet no domingo, 15 de Julho, dizendo que a sua equipa iria filmar um vídeo do mini-submarino a fazer todo o percurso até à referida gruta "sem qualquer problema". Mas não se ficou por aqui e escreveu ainda: "desculpa lá, pedófilo, mas estavas a pedi-las".

 

Musk não justificou por que razão chamou pedófilo a Unsworth e a esposa do mergulhador disse que o seu marido estava a ponderar intentar uma acção em tribunal contra Musk.

 

Ambos os tweets de Elon Musk foram entretanto apagados da sua conta do Twitter e o CEO acabou por pedir desculpas.

Os receios dos analistas 

 

Inúmeros analistas e investidores disseram à Reuters, sob anonimato, que os comentários de Musk têm contribuído para os receios de que as suas declarações públicas o estejam a desviar do negócio principal da Tesla – que é produzir veículos eléctricos.

Em meados de Agosto, Musk disse estar "exausto" e os receios intensificaram-se. Depois disso, já teve mais atitudes polémicas, como fumar marijuana durante um programa transmitido na Internet, em inícios deste mês, o que levou a que dois executivos da Tesla pedissem a sua demissão.

 

Episódio SEC

 

Entretanto, depois de a SEC ter intentado uma acção contra o presidente da Tesla, à conta dos tweets sobre a saída de bolsa, foi anunciado no dia 30 de Setembro que Musk acedeu a deixar as rédeas da presidência do conselho de administração da fabricante de veículos eléctricos, mantendo-se apenas como presidente executivo.

 

Além de abrir mão do cargo de "chairman", ficou acordado o pagamento de uma multa à SEC por parte de Musk e da própria Tesla. Tudo parecia ter acalmado um pouco, mas Elon Musk decidiu então fazer da SEC alvo de chacota.

 

O presidente executivo da Tesla gozou com a SEC horas depois de um juiz federal ter ordenado que Musk e a autoridade reguladora do mercado de capitais justificassem o acordo a que chegaram.

 

"Quero apenas dizer que a Shortseller Enrichment Commission está a fazer um trabalho incrível", escreveu Musk na sua conta na rede social Twitter.

 

Elon Musk critica frequentemente o facto de os investidores "shortarem" (apostarem na queda, comprando o que se chama de posições curtas [ou baixistas]) na Tesla e desta vez as críticas viraram-se para a SEC, ao mudar a designação do acrónimo para "Comissão de Enriquecimento dos Shortsellers".

 

"A mudança de nome é, por isso, muito apropriada!", acrescentou no seu tweet.

 

Elon Musk, além de liderar a Tesla, é também CEO da SpaceX [dedicada à exploração espacial] e presidente não executivo da SolarCity [que se dedica à concepção, financiamento e instalação de sistemas de energia solar], além de ter sido o criador do sistema de pagamentos online Paypal.




pub