Start-ups Bruxelas vai lançar este ano um laboratório europeu para fintech

Bruxelas vai lançar este ano um laboratório europeu para fintech

O vice-presidente da Comissão Europeia Valdis Dombrovskis anunciou esta terça-feira que Bruxelas pretende criar um “FinTech Lab”. O objectivo é que os supervisores possam envolver-se com as empresas que desenvolvem soluções para a área financeira.
Bruxelas vai lançar este ano um laboratório europeu para fintech
Bloomberg
Ana Laranjeiro 27 de fevereiro de 2018 às 12:53

A Comissão Europeia prepara-se para apresentar este ano um "FinTech Lab", uma iniciativa que surge no âmbito do Plano de Acção para as Fintech (Fintech Action Plan), cujos detalhes vão ser revelados na próxima semana. Vladis Dombrovskis, vice-presidente da Comissão Europeia, esteve esta terça-feira, 27 de Fevereiro, num evento sobre Fintech, em Bruxelas, e adiantou que nesta espécie de laboratório os supervisores vão poder interagir com as empresas que criam e fornecem estas soluções da área financeira.

"O objectivo é aumentar o nível de conhecimento e entendimento sobre as novas tecnologias. Estamos também a olhar especificamente para a forma como podemos estimular a adopção de certas tecnologias que têm implicações económicas de amplo alcance", disse o vice-presidente da Comissão Europeia, de acordo com o documento publicado no site.

Entre essas tecnologias está a computação na nuvem ("cloud computing") "que é essencial para desbloquear ganhos de eficiência na análise de big data". As empresas europeias que usam os serviços da cloud enfrentam dois desafios. O primeiro está relacionado com o movimento de dados pelas fronteiras. E o segundo prende-se com as "interpretações inconsistentes das regras" sobre as actividades de outsourcing na cloud, sublinhou o responsável.

Valdis Dombrovskis disse ainda no seu discurso que "a Europa tem o que é necessário para desenvolver um sector de Fintech competitivo a nível mundial".

"Num ranking recente, sobre as 100 Fintech mais inovadoras do mundo, 33 eram da União Europeia. Isto mostra que Fintech é já um criador de emprego na Europa mas isto é apenas o começo. Para se ser competitivo ao nível mundial, estes inovadores digitais tem de conseguir beneficiar totalmente do mercado única da União Europeia", disse ainda.

 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
pub