Banca & Finanças CDS exige esclarecimentos sobre operação de créditos fiscais no Montepio

CDS exige esclarecimentos sobre operação de créditos fiscais no Montepio

A deputada centrista Cecília Meireles considera que "é fundamental que, o mais cedo possível, se conheçam os fundamentos desta decisão" que permitiu ao Montepio passar a a ter capitais próprios positivos.
CDS exige esclarecimentos sobre operação de créditos fiscais no Montepio
Lusa 14 de março de 2018 às 13:58
A deputada e dirigente do CDS-PP Cecília Meireles exigiu hoje que se conheçam, com urgência, os fundamentos da operação de créditos fiscais da Associação Mutualista Montepio autorizada pelo Ministério das Finanças.

"O que é fundamental é que, o mais cedo possível, se conheçam os fundamentos desta decisão", defendeu Cecília Meireles.

A Associação Mutualista Montepio anunciou na segunda-feira que registou lucros de 587,5 milhões de euros em 2017, bem acima dos 7,4 milhões de euros em 2016, e passou a capitais próprios positivos. As contas da Associação Mutualista Montepio beneficiaram do impacto de activos por impostos diferidos superiores a 800 milhões de euros.

Cecília Meireles insistiu que "a preocupação do CDS com o Caixa Económica Montepio tem a ver com a fiscalização de um dinheiro que vem de uma concessão pública, o dinheiro da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa".

"Quanto à Associação Mutualista, que é detentora do banco, importa-nos fiscalizar a actuação do Estado e das alterações fiscais que o Estado autorizou e a informação vinculativa que fez", declarou, vincando que "um partido responsável não deve entreter-se em especulações".

Para a deputada e dirigente centrista, "o Governo, ao invés de estar sempre à espera de pedidos de esclarecimento e de chamadas ao parlamento, seria bom e seria prudente que, de uma vez por todas e com transparência, explicasse, afinal, se vai ou não existir a entrada da Santa Casa da Misericórdia e em que termos".

"Daquilo que sabemos, parece que estamos a falar de uma entrada bastante mais mitigada do que estava inicialmente estabelecido, mas é importante estabelecer em que moldes", acrescentou.

Cecília Meireles insistiu na posição do CDS, segundo a qual "não faz sentido a Santa Casa da Misericórdia, que tem dinheiro porque explora uma concessão pública, do jogo social, usar esse dinheiro destinado à acção social para o ir meter num banco, arriscando-se a perdê-lo".



A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo 14.03.2018

Esse protagonismo que o CDS procura ainda lhe vai rebentar nas mãos, há casos que é melhor assobiar para o lado.

Anónimo 14.03.2018

a sério??? ainda continuam com a novela?
Então as outras instituições financeiras fazem isto há largos anos, usufruindo da mesma matéria e melhorando as suas contas há anos a fio, e com o Montepio é que há problems????
é pena só haver comentários, de leigos e "entendidos", só para um dos lados!

pub