Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

CEO da Volkswagen Reino Unido promete fazer "a coisa certa" para resolver o escândalo

Paul Willis pediu desculpa pelo escândalo que envolve 11 milhões de veículos da Volkswagen. "Falo pelo grupo quando digo que a Volkswagen está profundamente arrependida", admitiu.

Bloomberg
Rita Faria afaria@negocios.pt 15 de Outubro de 2015 às 12:59
  • Assine já 1€/1 mês
  • 3
  • ...

O CEO da Volkswagen Reino Unido, Paul Willis, prometeu esta quinta-feira, 15 de Outubro, fazer "a coisa certa" e "resolver completamente" os assuntos relacionados com o escândalo da manipulação das emissões poluentes.
 

Os comentários do responsável surgem após a divulgação de um estudo que mostra que 9 em cada 10 proprietários britânicos de automóveis da Volkswagen que podem estar afectados consideram que devem ser compensados.

Paul Willis garante que a empresa "se importa" com os clientes e quer realmente "corrigir" esta situação. No início desta semana, Willis disse ser "prematuro" discutir eventuais compensações.

"Na segunda-feira, apresentei as minhas desculpas sinceras em nome do grupo (…) por causa das irregularidades em alguns veículos a diesel que produzimos", afirmou Paul Willis esta quinta-feira, citado pelo The Guardian. "Hoje quero reiterar esse pedido de desculpas. Falo pelo grupo quando digo que a Volkswagen está profundamente arrependida. O conselho de administração na Alemanha continua a levar estes resultados muito a sério, reconhecendo que ficaram aquém dos padrões que se esperam de nós".

O CEO da Volkswagen Reino Unido garantiu ainda que continuam a trabalhar de "forma diligente" para corrigir os motores afectados. "Desde o último fim-de-semana que temos vindo a enviar cartas pessoas a todos os clientes afectados", explicou Willis, acrescentando que a sua equipa está empenhada em resolver a situação para reconquistar a confiança dos clientes na marca.  

No Reino Unido, o número de veículos afectados ronda os 1,2 milhões. A recolha desses automóveis está agendada para o primeiro trimestre do próximo ano.

Paul Willis segue o exemplo do CEO da Volkswagen Estados Unidos, Michael Horn que, na semana passada, garantiu no Congresso norte-americano que a marca alemã está determinada em agir de forma correcta.

"Estamos determinados a fazer as coisas de maneira correcta. Isso inclui aceitar as consequências dos nossos actos, encontrar uma solução e começar a restaurar a confiança dos nossos clientes, concessionários, trabalhadores, regulares e do público em geral", resumiu Horn, sustentando que a decisão de instalar o dispositivo fraudulento nos motores foi "dos engenheiros", e não uma opção corporativa.

Esta quinta-feira, foi revelado que a Autoridade Federal de Transportes Motorizados da Alemanha (KBA, na sigla germânica) vai obrigar a Volkswagen a recolher 2,4 milhões de automóveis, equipados com o mecanismo fraudulento que a empresa alemã admitiu ter instalado em motores "diesel" para falsear os testes das emissões poluentes.

 

"Estamos a ordenar a recolha", afirmou, esta quinta-feira, um porta-voz da autoridade reguladora, citado pela Reuters

Ver comentários
Saber mais Volkswagen Reino Unido Paul Willis Alemanha Estados Unidos Michael Horn Congresso Autoridade Federal de Transportes Motorizados da Alemanha economia negócios e finanças
Mais lidas
Outras Notícias