Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

CGD sai da PT: "Entristece-me ver instituições a desistir de Portugal"

Henrique Granadeiro, em declarações exclusivas ao Negócios, comenta a saída da Caixa Geral de Depósitos do capital da Portugal Telecom: "Entristece-me ver alguns indivíduos e instituições a desistir de Portugal".

20.º- Henrique Granadeiro 
Voltou a ser CEO e Chairman da Portugal Telecom, após ida de Zeinal Bava para o Brasil.
Pedro Santos Guerreiro psg@negocios.pt 24 de Outubro de 2013 às 09:40
  • Assine já 1€/1 mês
  • 106
  • ...

Este foi o comentário de Henrique Granadeiro esta manhã, pelo telefone, ao Negócios. O presidente do Conselho de Administração da Portugal Telecom recusou reagir à operação de venda da Caixa Geral de Depósitos da posição da PT, uma vez que não foi notificado da operação em causa.

 

A Caixa Geral de Depósitos anunciou esta quinta-feira, em comunicado à Comissão de Mercado de Valores Mobiliários, que "pretende proceder à alienação de 54.771.741 acções da Portugal Telecom, representativas de aproximadamente 6,11% do capital social" da operadora.

 

Este valor corresponde à quase totalidade da participação que o banco público detém na Portugal Telecom: 6,31%, ou seja, 56.582.921 de acções.

 

A Caixa Geral de Depósitos, liderada por José de Matos (na foto em baixo), explica, em comunicado, que esta venda faz parte de uma "estratégia de desinvestimento em activos não estratégicos". O banco público irá agora proceder ao lançamento de uma oferta particular das acções, "através de um processo de 'accelerated bookbuilding' dirigido em exclusivo a investidores qualificados". A recepção de ordens tem efeito imediato.

 

Esta oferta particular de acções será concluída ainda esta quinta-feira. Segundo os termos da oferta, a que a Bloomberg teve acesso, a posição da CGD será vendida a um intervalo de preços entre os 3,45 euros e os 3,583 euros por acção. Ou seja, o banco público pode encaixar com esta venda entre 188,9 milhões de euros e 196,2 milhões de euros. 

 

A operação foi mandatada pela CGD ao Crédit Suisse. Só quando o livro de ordens for fechado é que se saberá se haverá novas participações qualificadas no capital da Portugal Telecom ou se a participação de 6,11% será dispersa por investidores institucionais.

 

Como o Negócios noticiou esta manhã a administração da Portugal Telecom e o núcleo duro accionista foram surpreendidos pela saída da Caixa Geral de Depósitos, já tendo tido conhecimento dela. Para a Portugal Telecom esta venda é inoportuna, uma vez que está a ser negociada, neste momento, a fusão entre a empresa portuguesa e a Oi. A Caixa é accionista de referência da PT, pelo que a sua saída pode enfraquecer a posição portuguesa. Do outro lado da mesa de negociações está um conjunto de accionistas brasileiros, incluindo o BNDES, banco também público, mas do Brasil.

 

Para a CGD trata-se de um desinvestimento em activos não estratégicos.   

Ver comentários
Outras Notícias