Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

CGI garante que administração da RTP não tem condições para se manter. Alberto da Ponte promete dar luta

Para o Conselho Geral Independente (CGI), a administração da RTP não tem, actualmente, nenhum apoio e não reúne as condições para se manter em funções. Ainda assim, a equipa de Alberto da Ponte promete rebater, um por um, os argumentos apresentados pelo CGI. Esta quarta-feira é a vez do ministro da tutela falar sobre a proposta de destituição do conselho de administração da estação pública.

Bruno Simão/Negócios
  • Assine já 1€/1 mês
  • 8
  • ...

O Conselho de Administração e o Conselho Geral Independente estiveram esta terça-feira, 16 de Dezembro, na Comissão para a Ética, a Cidadania e a Comunicação. O pedido foi feito pelo Bloco de Esquerda. Em discussão esteve a proposta feita pelo CGI de destituição da equipa de Alberto da Ponte.

 

A primeira intervenção coube ao presidente da estação pública. Acompanhado pelos restantes membros da sua equipa, Luiana Nunes e António Beato Teixeira, Alberto da Ponte afirmou que a proposta de destituição da sua equipa não está devidamente fundamentada e será rebatida, ponto por ponto. "Vamos pronunciar-nos por escrito e rebater, um por um, os argumentos do Conselho Geral", afirmou Alberto da Ponte

 

O gestor acusou os membros do CGI de "pirraça académica". Afirmação que António Feijó, presidente do CGI, classificou como "anómala" e "sem sentido".

 

A proposta de destituição do Conselho de Administração da RTP surge na sequência do chumbo do plano estratégico apresentado pela equipa de Alberto da Ponte. "O projecto estratégico é medíocre e por isso não deve ser aceite", afirmou António Feijó.

 

"Não invocamos qualquer falha grave do Conselho de Administração. Apenas constatamos que o projecto apresentado é débil e que o Conselho de Administração deixou de preencher os requisitos necessários para exercer as suas funções", afirmou o presidente do Conselho Geral Independente na Comissão de Ética.

 

Num comunicado datado de 1 de Dezembro, o CGI conclui que o plano estratégico apresentado pela equipa de Alberto da

Não invocamos qualquer falha grave do Conselho de Administração. Apenas constatamos que o projecto apresentado é débil e que o Conselho de Administração deixou de preencher os requisitos necessários para exercer as suas funções.
 
António Feijó
Presidente do Conselho Geral Independente

Ponte a 17 de Novembro "revela insuficiência que o fere de qualquer eficácia". "Na sequência de uma análise detalhada, o CGI declara o projecto estratégico apresentado pelo Conselho de Administração não aprovado", refere o mesmo documento.

 

Qual o retorno da Liga dos Campeões? CGI e CA têm números diferentes

 

Outro dos temas que dominou a Comissão Parlamentar desta terça-feira foi a proposta apresentada pelo Conselho de Administração da RTP de aquisição dos direitos televisivos da Liga dos Campeões para as próximas três temporadas.

 

António Feijó garantiu que este negócio nada teve a ver com a proposta de destituição da equipa de Alberto da Ponte mas sublinhou que ele não constava do plano estratégico apresentando a 17 de Novembro. "A deslealdade [do Conselho de Administração da RTP] está na ocultação de um negócio importante", afirmou António Feijó, recusando fazer qualquer comentário sobre o negócio em si.

 

Alberto da Ponte afirmou que a decisão de concorrer aos direitos televisivos de transmissão da Liga dos Campeões para as próximas temporadas foi "uma iniciativa de carácter editorial dentro dos limites da lei". Segundo o presidente da RTP, a estação pública ofereceu 5 milhões de euros por ano para obter os direitos de transmissão da Liga dos Campeões e esta oferta não só é "auto-sustentável, como tem retorno" para a RTP.

 

De acordo com um estudo de viabilidade pedido pela estação pública, acrescentou Alberto da Ponte, o retorno ascende a 5,8 milhões de euros por ano, 2,8 milhões de publicidade e 3,3 milhões de custos de oportunidade (ou seja, poupanças que a estação tem com a grelha por ter edição dedicada ao futebol).

 

No entanto, o presidente do CGI revelou que os "montantes que aparecem no estudo para justificar a compra não são os montantes que nos foram ditos pelos directores de programas e de informação da RTP". António Feijó recusou divulgar os valores que lhe foram transmitidos. 

Ver comentários
Saber mais Conselho Geral Independente RTP Liga dos Campeões Conselho de Administração Alberto da Ponte António Feijó
Mais lidas
Outras Notícias