Desporto China mete o pé na elite do futebol mundial

China mete o pé na elite do futebol mundial

Os clubes chineses gastaram 162 milhões de euros durante este período de transferências, mais do que quase todos os principais campeonatos europeus. Só a ida de Jackson Martínez para o Guangzhou Evergrande rendeu 42 milhões.
REUTERS / Sergio Perez REUTERS REUTERS REUTERS Pedro Ferreira / Record REUTERS REUTERS
André Vinagre 03 de fevereiro de 2016 às 13:19

A janela de transferências de Inverno do futebol fechou, no início desta semana, nos principais mercados europeus e uma das grandes surpresas foi o mercado chinês. Confirmada a transferência de Jackson Martínez para o Guangzhou Evergrande, os clubes chineses gastaram cerca de 162 milhões de euros no mercado de Inverno.

 

As transferências de Jackson, Guarín, Ramires, Gervinho, Renato Augusto e Freddy Montero para o futebol chinês são a prova do poder financeiro dos clubes do país asiático.

 

No total, os clubes da Super Liga chinesa gastaram mais de 162 milhões de euros só durante este período de transferências, mais do que os clubes de grandes campeonatos europeus, como Itália, Alemanha, Espanha e França, escreve esta quarta-feira, 3 de Fevereiro, o diário espanhol Cinco Días.

 

O colombiano Jackson Martínez, antigo jogador do FC Porto que actualmente jogava no Atlético de Madrid, custou neste defeso 42 milhões de euros aos chineses do Guangzhou Evergrande, clube treinado pelo ex-seleccionador nacional Luiz Felipe Scolari, que se mudou para a China em 2015.

 


O ex-benfiquista Ramires também rumou ao oriente. O JS Suning pagou 28 milhões de euros ao Chelsea pelo internacional brasileiro.

Já o costa-marfinense Gervinho viajou em direcção à China para jogar no HB China Fortun, numa transferência que rendeu aos italianos da Roma cerca de 18 milhões de euros. Já Fredy Guarín trocou o Inter de Milão pelo Shanghai Greenland numa transferência de 13 milhões de euros e Renato Augusto viajou do Brasil para a China, contratado pelo Beijing Guoan ao Corinthians por 9 milhões.


Os clubes chineses estiveram igualmente atentos ao mercado português. O Tianjin Teda pagou 5 milhões de euros ao Sporting pelo passe do também colombiano Fredy Montero.

  

Estes números representam um crescimento importante da notoriedade mundial do futebol chinês, que há quatro anos gastou apenas 34 milhões de euros em transferências no período de Janeiro, refere o Cinco Días.

 

A Premier League, liga inglesa de futebol, é a única que suplanta os gastos em transferências dos clubes chineses. Os clubes ingleses continuam a ser os mais gastadores e durante este período investiram perto de 250 milhões de euros em contratações.




pub

Marketing Automation certified by E-GOI