Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Cisão da Sonae Capital aprovada em assembleia geral

Belmiro de Azevedo irá presidir ao conselho de administração da Sonae Capital, cuja cisão face à Sonae SGPS foi hoje aprovada em assembleia-geral (AG) extraordinária de accionistas do grupo, na Maia.

Negócios com Lusa 14 de Dezembro de 2007 às 15:50
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

Belmiro de Azevedo irá presidir ao conselho de administração da Sonae Capital, cuja cisão face à Sonae SGPS foi hoje aprovada em assembleia-geral (AG) extraordinária de accionistas do grupo, na Maia.

Segundo adiantou à agência Lusa fonte da Sonae SGPS, o projecto de cisão simples através do destaque da participação na Sonae Capital foi aprovado pelos accionistas, assim como a lista de órgãos sociais para o primeiro mandato da nova sociedade, com início em 2007 e termo em 2010.

Para além de Belmiro de Azevedo, o conselho de administração da Sonae Capital é constituído por José Luís dos Santos Lima Amorim e Mário Pereira Pinto, enquanto a mesa da assembleia-geral será ocupada por António Agostinho Cardoso da Conceição Guedes.

O projecto de cisão da Sonae Capital prevê que cada accionista receba 0,125 acções da Sonae Capital por cada uma que detenha da "holding", devendo a empresa entrar em bolsa em 2008.

O capital social da empresa do grupo Sonae encarregue dos negócios do turismo será composto por 250 milhões de acções e o maior accionista será a Efanor, detida por Belmiro de Azevedo, com 53 por cento do capital.

Em Janeiro, os accionistas terão um período para negociar os direitos às acções.

O capital disperso em bolsa ("free-float") será de 35,7 por cento e os accionistas com mais de dois por cento do capital ficarão com 11,3 por cento, de acordo com a informação disponibilizada pela Sonae SGPS.

Belmiro de Azevedo anunciou esta cisão em Março de 2007, durante a apresentação das contas anuais do grupo, referindo que a Sonae Capital iria iniciar um processo de autonomização semelhante ao que ocorreu com a Sonae Indústria em 2005.

A Sonae Capital - que tem "em mãos" o desenvolvimento do complexo Tróia Resort - reportou em 2006 um lucro de 338,7 milhões de euros, mais 28 por cento relativamente ao ano anterior, resultado de um volume de negócios a rondar os 4,4 milhões de euros, mais 6,5 por cento relativamente a 2005.

Segundo se lê no texto do projecto de cisão, "o destaque da participação accionista da Sonae Capital através da cisão simples permite o enfoque da Sonae em negócios com dimensão relevante e com presença ou vocação internacional", enquanto garante, ao mesmo tempo, maior "visibilidade aos negócios da nova sociedade", na sequência da sua dispersão no mercado e sujeição às regras deste.

"Estes negócios, detidos por sociedades dominadas pela Sonae Capital, demonstram capacidade de autonomia empresarial e apetrecharam-se dos recursos necessários ao desenvolvimento de um plano estratégico garante de criação de valor", refere-se no documento.

Com um conjunto diversificado de participações em sociedades que actuam em diferentes sectores de actividade, a carteira de negócios da Sonae Capital está actualmente organizada de acordo com o seu objectivo estratégico, assente no desenvolvimento de dois ramos de actividade: o sector do turismo e o investimento em participações em novas oportunidades de negócio de sectores emergentes, com potencial de desenvolvimento futuro ou de cariz financeiro.

Nos termos do projecto de cisão, esta segunda área de actividade da Sonae Capital, cujas participações são actualmente detidas directamente pela própria Sonae Capital, serão agora transferidas para a sua dominada integral Spred, SGPS, SA.

Ver comentários
Outras Notícias