Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Commerzbank apresenta prejuízo inesperado no quarto trimestre de 2003

O Commerzbank, terceiro maior banco alemão por activos, registou um prejuízo inesperado, no quarto trimestre de 2003, impulsionado por pagamentos elevados de impostos. O presidente executivo admite envolver o banco em processos de consolidação.

Ana Filipa Rego arego@negocios.pt 18 de Fevereiro de 2004 às 10:59
  • Partilhar artigo
  • ...

O Commerzbank, terceiro maior banco alemão por activos, registou um prejuízo inesperado, no quarto trimestre de 2003, impulsionado por pagamentos elevados de impostos. O presidente executivo admite envolver o banco em processos de consolidação.

O prejuízo foi de 88 milhões de euros, contra os 243 milhões de euros de prejuízo do mesmo período do ano passado, disse o porta-voz do banco alemão, Peter Pietsch. Os analistas consultados pela Bloomberg esperavam que o banco apresentasse lucros.

Antes de impostos, o Commerzbank ganhou 71 milhões de euros. O banco alemão e os seus concorrentes, nomeadamente o HVB Group, têm sido prejudicados por insolvências recorde e por três anos de declínio nas acções, que puseram em causa o valor dos seus investimentos.

O director financeiro, Eric Strutz, disse aos analistas que o ano teve um «início promissor» e que o banco espera, este ano, um aumento dos resultados.

Presidente executivo do Commrzbank admite fusão

Por outro lado, o presidente executivo do Commerzbank, Klaus-Peter Mueller, disse, hoje, num discurso distribuído depois de uma conferência de imprensa, que está aberto a conversações acerca de possíveis fusões ou aquisições.

«É inteiramente do interesse dos nossos accionistas, clientes e empregados, que permaneçamos abertos a soluções razoáveis que envolvam outros, quer ao nível nacional, quer internacional», explicou o presidente executivo do banco.

Os executivos dos dois outros maiores bancos alemães também já disseram que a fusão é uma possibilidade. O presidente executivo do Deutsche Bank AG, Josef Ackermann, disse este mês que o banco está a analisar as suas possibilidades de fusões.

Já o presidente executivo do HVB Group, Dieter Rampl disse, em Janeiro, que o segundo maior banco alemão está disposto a uma combinação ou com o Commerzbank ou com um banco internacional.

Os bancos europeus estão sobre um aumento de pressão para se fundirem para continuarem a concorrer com os maiores bancos dos Estados Unidos da América. A J.P. Morgan Chase & Co., acordou o mês passado comprar o Bank One Corp por 55,1 mil milhões de dólares, três meses depois do Bank of América Corp. ter anunciado a sua compra, no valor de 47 mil milhões de dólares, do FleetBoston Financial Corp.

No entanto, o presidente executivo do Commerzbank, que disse o mês passado que não está envolvido em conversações sobre uma eventual fusão e «continua a planear a sua estratégia sozinho».

As acções do Commerzbank seguiam a cair 1,57% para os 15,68 euros.

Ver comentários
Outras Notícias