Banca & Finanças Como Ricardo Salgado recebeu o presente de 14 milhões de euros

Como Ricardo Salgado recebeu o presente de 14 milhões de euros

Não foi uma comissão. Não foram 8,5 milhões de euros. Foi uma oferta no valor de quase 14 milhões de euros. O presente que Ricardo Salgado recebeu do construtor José Guilherme é uma das razões que justifica a detenção do banqueiro. Conheça a história deste caso, que foi aprofundado no livro "O Último Banqueiro".
Negócios 24 de julho de 2014 às 12:42

Ricardo Salgado foi constituído arguido um ano e meio depois de ter sido ouvido como testemunha no Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP). Em Dezembro de 2012, Salgado testemunhou pelo facto de ser cliente da Akoya, a sociedade de gestão de fortunas que está no centro da investigação Monte Branco.

 

Nessa inquirição, o antigo banqueiro explicou a origem dos 8,5 milhões de euros que recebeu no exterior e que o levaram a aderir ao Regime Excepcional de Regularização Tributária de 2012.

 

O livro "O Último Banqueiro", da autoria das jornalistas do Negócios Maria João Babo e Maria João Gago, relata os 20 anos de Ricardo Salgado à frente do BES. A transferência de 14 milhões que o antigo banqueiro recebeu do construtor José Guilherme é abordada no livro. Veja em baixo um excerto do livro, que foi publicado no Negócios a 11 de Julho e onde este tema é relatado.

 

 
O presente de 14 milhões de Ricardo Salgado

"’Liberalidade’. Foi com esta expressão jurídica que o banqueiro justificou, no Banco de Portugal e no DCIAP, ter recebido, não 8,5 mas um total de 14 milhões de euros do construtor. Em causa estava "um acto de carácter espontâneo e a título gratuito que venha a favorecer ou a beneficiar economicamente alguém". Resumindo, uma oferta em dinheiro.

 

José Guilherme e o presidente do BES conhecem-se há décadas. O construtor consultava frequentemente o banqueiro. Quando decidiu expandir os seus negócios para o Leste da Europa, Ricardo Salgado desaconselhou-o. Em alternativa, recomendou-lhe Angola. E até lhe terá indicado quem contactar em Luanda.

 

Alguns anos mais tarde, perante o sucesso do investimento, Guilherme fez questão de mostrar ao líder do BES como lhe estava agradecido.

 

E foi por isso que o presenteou. Com 14 milhões de euros.

 

Uma oferta do construtor, foi também o que Ricardo Salgado alegou ao Banco de Portugal e ao Ministério Público para justificar aquele rendimento.

 

As explicações do banqueiro nunca saíram da discrição dos gabinetes das autoridades em que foram dadas. À família e à imprensa, o presidente do BES sempre insistiu: "Dei todos os esclarecimentos na altura, não vou dar a mais ninguém".

 

As dúvidas criadas pela ausência de esclarecimento público, começavam a fazer mossa. E a ser usadas como armas de arremesso pelos opositores do banqueiro. Mesmo os que pertenciam ao clã viram no crescente clima de suspeição uma oportunidade para começar a empurrar Ricardo Salgado para a porta de saída.

 

A origem daquele rendimento fez correr muita tinta. Para os seus adversários, incluindo o primo José Maria Ricciardi, estava em causa a idoneidade do líder do BES – condição indispensável para o exercício de funções de gestão na banca.

 

Outro entendimento teve o Banco de Portugal. A 5 de Fevereiro de 2013, a instituição liderada por Carlos Costa decidiu tornar pública uma nota em que considerava não existirem fundamentos que justificassem a abertura de processos para reavaliar a idoneidade dos órgãos sociais do banco.

 

Apesar da declaração do BdP, a regularização da declaração de IRS de Salgado tinha sido tornada pública, lançando dúvidas sobre a origem dos seus rendimentos. A mancha reputacional alastrava-se ao BES".

 

 

 

 

 




pub

Marketing Automation certified by E-GOI