Aviação Companhias aéreas da UE podem ser processadas noutro Estado-membro por atrasos em escalas

Companhias aéreas da UE podem ser processadas noutro Estado-membro por atrasos em escalas

O Tribunal de Justiça da União Europeia (UE) considerou hoje que, num voo com escalas, a companhia aérea de um Estado-membro responsável por atrasos numa viagem com escala pode ser processada no país da UE de destino final.
Companhias aéreas da UE podem ser processadas noutro Estado-membro por atrasos em escalas
Sara Matos
Lusa 07 de março de 2018 às 10:34

Num acórdão hoje divulgado, o Tribunal de Justiça da UE (TJUE) conclui que "a companhia aérea que realizou num Estado-membro apenas o primeiro segmento de um voo com correspondência pode ser demandada perante os órgãos jurisdicionais do destino final situado noutro Estado-membro com vista ao pagamento de uma indemnização por atraso".

 

O acórdão especifica que tal acontece "quando os diferentes voos são objecto de uma reserva única para a totalidade do trajecto e o atraso importante à chegada ao destino final é devido a um incidente que se verificou no primeiro dos voos".

 

O TJUE responde, com esta decisão, a uma dúvida de um tribunal alemão sobre a sua competência para julgar a companhia aérea espanhola Air Nostrum que, devido a atrasos nas primeiras escalas, foi processada por passageiros que chegaram aos destinos finais, na Alemanha, com quatro horas de atraso num dos casos e 13 no outro.

 

O tribunal da UE conclui que o destino final na Alemanha pode ser considerado o lugar de cumprimento das prestações a fornecer não só no que diz respeito ao segundo voo, mas igualmente no que diz respeito ao primeiro voo interno em Espanha.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
pub