Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Concorrência espanhola aprova fusão entre Aurea e Acesa

A Acesa, empresa que controla 10% do capital da Brisa, e a Aurea já obtiveram «luz verde» por partes das autoridades espanholas para a sua fusão, tornando-se a terceira maior concessionária de auto-estradas da Europa.

Isabel Aveiro ia@negocios.pt 18 de Fevereiro de 2003 às 10:32
  • Partilhar artigo
  • ...
A Acesa, empresa que controla 10% do capital da Brisa, e a Aurea já obtiveram «luz verde» por partes das autoridades espanholas para a sua fusão, tornando-se a terceira maior concessionária de auto-estradas da Europa.

A «holding» de concessões espanhola Acesa, detentora de 10% do capital da portuguesa Brisa, e a sua congénere Aurea, receberam hoje a aprovação sobre a sua operação de fusão por parte do Servicio de Defensa de la Competencia.

As empresas informaram hoje a Comisión Nacional del Mercado de Valores (CNMV), que os serviços de concorrência decidiram não enviar o projecto de união ao Tribunal de Defensa de la Competencia, certificando desta forma que a admnistração espanhola «não se opõe à operação».

Com a aprovação agora recebida, avança a agência noticiosa Europa Press, as duas concessionárias espanholas pretendem concluir o seu processo de integração durante o primeiro trimestre deste ano, após a ratificação da aliança em sede de assembleias de accionistas.

O grupo «La Caixa», que detém actualmente 29,1% da Acesa, será o principal accionista do novo grupo que irá surgir, intitulado Abertis, a que se seguirá a Dragados, com 11% do capital. Este último grupo construtor detém actualmente 36,59% da Aurea e encontra-se actualmente em processo de fusão com a ACS.

Quando finalmente criado, o futuro grupo Abertis ocupará o terceiro lugar do «ranking» europeu de concessões rodoviárias, liderado pela italiana Autoestrade e pela francesa ASF. Em conjunto, a Acesa e Aurea gerem mais de 1.500 quilómetros de auto-estradas em 10 países, com receitas avaliadas em 1,15 mil milhões de euros e resultados líquidos de 300 milhões de euros.

Outras Notícias