Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Conheça as propostas de crédito dos bancos para as empresas

Depois do travão dos últimos anos, os bancos têm vindo a intensificar a promoção do financiamento às empresas. Conheça as soluções e taxas praticadas nas maiores instituições.

Raquel Godinho rgodinho@negocios.pt 27 de Janeiro de 2014 às 23:39
  • Assine já 1€/1 mês
  • 2
  • ...

BES tem condições "competitivas" nas linhas com protocolo

 

O Banco Espírito Santo (BES) enumera no seu "site" todas as formas de financiamento disponíveis para as empresas a operar em Portugal. A instituição liderada por Ricardo Salgado distingue as suas ofertas consoante o fim a que se destinam: apoio ao crédito, apoio à exportação e apoio à tesouraria.

 

"Temos soluções ajustadas a todas as finalidades", explicou fonte oficial do BES ao Negócios. No que se refere ao custo deste crédito, "os 'spreads' e comissões são de análise casuística em função do 'rating' dos clientes, dos prazos e da finalidade dos financiamentos". 

 

Ainda assim, o banco considera que tem "condições muito competitivas", apresentado como exemplo as linhas protocoladas. No PME Crescimento, na linha dedicada às exportadoras, o "spread" é inferior a 5% e não existem comissões associadas. Já na linha protocolada com o BEI, o "spread" máximo é de 3,751%.

 

Os 'spreads' e comissões são de análise casuística em função do 'rating' dos clientes.

 
Banco Espírito Santo

 

BPI oferece mil milhões de euros de crédito para as empresas

 

O BPI tem, actualmente, disponível uma linha de crédito para as empresas que ascende a mil milhões de euros. Esta linha destina-se ao financiamento da actividade de exploração e de investimento de médias e grandes empresas a operar em Portugal. O prazo do empréstimo pode ir até aos cinco anos.

 

O valor do crédito pedido pelas empresas pode ir dos 250 mil aos 50 milhões de euros, com um prazo máximo de cinco anos. A taxa de juro cobrada é variável, indexada à Euribor do período de referência de pagamento de juros. Esta taxa é acrescida de um "spread" que é definido em função do nível de risco, do tipo e do prazo da operação bem como do nível de produtos contratados no BPI válidos para este efeito. O "spread" pode variar entre os 3,75% e os 5%.

 

Além desta linha, o BPI disponibiliza um conjunto diverso de soluções de financiamento para as empresas. "Soluções completas para todas as necessidades de financiamento", explica o banco no seu "site". Estas soluções passam por créditos de curto e longo prazo, crédito por assinaturas, crédito especializado, entre outras.

 

CGD tem soluções "flexíveis" para as exportadoras

 

O banco público apresenta um conjunto diversificado de soluções de financiamento para as empresas portuguesas. A Caixa Geral de Depósitos enumera no seu "site" as várias formas de empréstimo que as companhias têm ao seu dispor para garantir o seu crescimento, bem como as suas principais características.

 

Uma das vias de crescimento das empresas passa pela exportação e este é um dos aspectos que mais destaque merece no "site" do banco. A CGD comercializa a Linha Caixa Exportação, que apresenta "prazos e condições flexíveis de antecipação de recebimentos, particularmente vocacionada para as empresas exportadoras e empresas produtoras de bens transaccionáveis substitutos de importações". Ainda que não seja referida no site informação relativa à taxa de juro aplicada, o banco sublinha que existe "bonificação de 'spread' para empresas com relacionamento bancário global centralizado na Caixa".

 

A Linha Caixa Exportação tem "prazos e condições flexíveis de antecipação de recebimentos.

 
Caixa Geral de Depósitos

 

Millennium bcp financia até um milhão de euros

 

Também o Millennium bcp apresenta soluções que visam apoiar o crescimento das empresas. No "site", apresenta os vários financiamentos. A Linha PME Crescimento apresenta duas linhas, uma geral e exportadora e outra para micro e pequenas empresas.

 

No primeiro caso, o banco financia até um milhão de euros, com um prazo máximo de nove anos e possibilidade de carência de capital até 24 meses. A taxa de juro que a empresa vai pagar resulta da soma da Euribor três meses e um "spread" que varia em função do escalão da empresa e que pode chegar ao máximo de 4,938%.

 

No caso da linha para micro e pequenas empresas, o valor do financiamento oscila entre os 25 e os 50 mil euros. Um valor que terá que ser pago num prazo máximo de seis anos, com a possibilidade de carência de capital até um ano. Os juros a serem suportados pela empresa equivalem à Euribor a três meses somada a um "spread" máximo de 4,219%. A instituição liderada por Nuno Amado sublinha, no entanto, que o "spread" pode ser reduzido em função da análise de risco do cliente.

 

Santander Totta aposta em taxas de juro "competitivas"

 

O Santander Totta também disponibiliza aos seus clientes um conjunto de soluções de financiamento variado. No "site" do banco é possível verificar que esta oferta varia de acordo com o sector, havendo linhas de financiamento para o sector da restauração, para a agricultura e para o comércio alimentar, entre outros. O banco proporciona também linhas de financiamento protocoladas.

 

No que se refere à Linha PME Crescimento, o banco apresenta uma simulação no "site”. Para um crédito na linha micro e pequenas empresas, no valor de 25 mil euros, pelo prazo de 48 meses seria cobrada uma taxa de juro que corresponde à Euribor a três meses, acrescida de um "spread" de 5%.

 

Esta linha destaca-se, assim, por aspectos como "taxas de juro competitivas", isenção das comissões bancárias associadas, possibilidade de amortização antecipada sem cobrança de qualquer comissão e carência de capital que pode ir até um ano.

 

Em 2013, a Linha PME Crescimento passou a poder ser utilizado por empresas do sector primário.

 
Santander Totta
Ver comentários
Outras Notícias