Banca & Finanças Constâncio defende que banca deve evitar "experimentação total" na tecnologia

Constâncio defende que banca deve evitar "experimentação total" na tecnologia

O ex-governador do Banco de Portugal (BdP) Vítor Constâncio defendeu hoje que o sistema financeiro deve evitar que a tecnologia se desenvolva num clima de "experimentação total", sob o risco de ser "tarde demais" para voltar atrás.
Constâncio defende que banca deve evitar "experimentação total" na tecnologia
Lusa 08 de outubro de 2019 às 13:35

"Todo o tratamento das implicações tecnológicas no sistema financeiro não deve ser deixado à experimentação total", afirmou hoje o também antigo vice-presidente do Banco Central Europeu (BCE), contestando a ideia de experiências em pequena escala.

 

Para sustentar a sua ideia, Vítor Constâncio ilustrou o seu discurso com a metáfora da vida real "'vamos ver como é que resulta em pequena escala, e depois faremos algo'".

 

"Isto pode crescer rapidamente e depois é demasiado tarde para fazer alguma coisa e voltar atrás", considerou o economista, acrescentando que é precisa "clareza de conceitos" sobre o que se deseja da tecnologia no sistema financeiro, bem como sobre o 'shadowbanking'.

 

Durante a sua apresentação, o ex-governador deixou vários avisos à regulação, considerando que "continua a ser necessária" num tempo em que novos intervenientes se tentam intrometer no negócio bancário tradicional.

 

Vítor Constâncio afirmou que "a tecnologia é neutra para os fundamentos da regulação do sistema financeiro, o que significa que não é por causa de haver novas tecnologias para distribuir produtos que os problemas das externalidades, de risco moral, de seleção adversa, de comportamentos que justificam a regulação, desaparecem".

 

"Se alguma destas novas 'fintech' [empresas tecnológicas financeiras] começa a recolher fundos do público regularmente, e garante redenção ao valor nominal, então é um depósito. E, se é um depósito, então precisa de regulação, tal como os bancos", considerou o antigo responsável do BCE, referindo que este exemplo pode ser aplicado à criptomoeda do Facebook, a Libra.

 

O economista defendeu também que a "ameaça" para o sistema bancário vem "das 'bigtech' [grandes empresas tecnológicas] que entraram através dos [sistemas de] pagamentos, e através dos pagamentos em muito mais".

 

Vítor Constâncio destacou o "risco" da entrada de outras empresas ('openbanking'), que abrem a possibilidade de "os dados dos clientes nos bancos circularem, com autorização, a outros intervenientes no sistema".




Marketing Automation certified by E-GOI