Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Construtoras portuguesas "não resistem" à melhor proposta da FCC para TGV

As construtoras Teixeira Duarte, Mota-Engil e Soares da Costa estiveram hoje em forte queda na bolsa nacional, penalizadas pela probabilidade de o agrupamento liderado pela espanhola FCC ganhar o concurso para o segundo troço da linha de Alta Velocidade Lisboa-Madrid, entre Lisboa e o Poceirão.

  • Assine já 1€/1 mês
  • 8
  • ...
As construtoras Teixeira Duarte, Mota-Engil e Soares da Costa estiveram hoje em forte queda na bolsa nacional, penalizadas pela probabilidade de o agrupamento liderado pela espanhola FCC ganhar o concurso para o segundo troço da linha de Alta Velocidade Lisboa-Madrid, entre Lisboa e o Poceirão.

A Teixeira Duarte caiu 4,39%, para 0,98 euros, tendo estado a perder mais de 7%, num dia em que o BCP – do qual a construtora é accionista – perdeu 2,47%.

Apesar da queda de hoje, a Teixeira Duarte acumula um ganho de 63,88% desde o início do ano.

A Mota-Engil também encerrou em queda, tendo perdido 3,29% para os 3,201 euros, enquanto a Soares da Costa recuou 4,42% para 1,08 euros.

Conforme o Negócios noticia na sua edição de hoje, a grande surpresa na abertura das propostas a este concurso foi o facto de o consórcio liderado pela espanhola FCC ter apresentado um preço de construção cerca de 300 milhões mais barato do que a melhor proposta da Mota-Engil, que ficou em segundo lugar no "ranking" das propostas mais baratas.

Este troço inclui a terceira travessia do Tejo, entre Chelas e Barreiro, e tem uma extensão total de 34 quilómetros e faz parte do eixo Lisboa-Madrid.

Depois de muita indefinição e dúvidas sobre o interesse de consórcios estrangeiros, o agrupamento da FCC, Ramalho Rosa Cobetar, Impregilo, Conduril, Cimolai e EHST - European High - Speed Trains apresentou uma proposta de 1,870 mil milhões de euros.

A Mota candidatou dois valores: uma proposta base, orçada em 2,198 mil milhões de euros e uma variante de 2,166 mil milhões de euros. A proposta mais cara para o Estado foi a do consórcio liderado pela Brisa/Soares da Costa, com um total de 2,310 mil milhões de euros de proposta.

Além do custo de construção mais baixo, a FCC apresentou também o valor mais vantajoso para o Estado para manutenção: 10,7 milhões de média anual, calculada a preços de 2009.

Ver comentários
Outras Notícias