Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Credit Suisse pode ser alvo de nova investigação nos Estados Unidos

Banco suíço já foi investigado pelas autoridades dos Estados Unidos pelo seu papel na fuga aos impostos de cidadãos norte-americanos.

Negócios 07 de Abril de 2014 às 13:58
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

O Credit Suisse enfrenta a ameaça de uma nova investigação relacionada com o seu papel no processo de fuga aos impostos de cidadãos norte-americanos, avança esta segunda-feira a agência Reuters.

 

O banco tem sido o centro de investigações nos Estados Unidos devido a serviços prestados a clientes norte-americanos fora das suas fronteiras, o que obrigou a instituição a colocar dinheiro de lado, constituindo mais provisões além daquelas que já teve de reconhecer em 2011.

 

Na semana passada, o segundo maior banco suíço actualizou os seus resultados relativos a 2013 para reflectir "um encargo adicional depois de impostos de 468 milhões de francos suíços". A decisão deveu-se "essencialmente" à necessidade de cobrir o aumento do dinheiro que o banco helvético teve de pôr de lado relativamente à investigação levada a cabo pelo Departamento de Justiça norte-americano sobre questões fiscais, segundo explicou a instituição em comunicado divulgado no site oficial.

 

O caso parecia estar a dissipar-se, mas agora, Benjamim Lawsky, responsável dos serviços financeiros de Nova Iorque, voltou a pedir documentos ao banco suíço no sentido de perceber se a instituição mentiu às autoridades sobre o seu papel na fuga aos impostos de cidadãos norte-americanos.

 

O Credit Suisse tem “reservados” 895 milhões de francos suíços (cerca de 731 milhões de euros) para lidar com questões legais nos Estados Unidos, uma valor acima dos 780 milhões de dólares (cerca de 569 milhões de euros) que o rival suíço UBS pagou, em 2009, para resolver acusações relacionadas com fuga aos impostos.

 

A ameaça de uma nova investigação está a levar as acções do banco a cair 2,07%. 

Ver comentários
Saber mais Credit Suisse Estados Unidos Departamento de Justiça Benjamim Lawsky Nova Iorque economia negócios e finanças serviços financeiros agência Reuters banca
Outras Notícias