Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

CTT : Greve com 12% de adesão

Os Correios apontam uma adesão à greve de 12%, uma taxa que consideram "muito baixa”. E garantem que a distribuição de correio manteve-se “em níveis normais”.

Bruno Simão/Negócios
Sara Ribeiro sararibeiro@negocios.pt 28 de Março de 2016 às 12:24
  • Assine já 1€/1 mês
  • 3
  • ...

A adesão à greve nos CTT, que arrancou às 00:00 desta segunda-feira, ronda os 12% segundo os números avançados pela empresa liderada por Francisco Lacerda. "Uma taxa muito baixa em termos comparativos" e "em linha com as expectativas da empresa, dado que esta greve não conta com o apoio de 10 dos 11 sindicatos da empresa", acrescentam os CTT.

 

Os números avançados esta manhã pelo Sindicato Nacional dos Trabalhadores dos Correios e Telecomunicação (SNTCT), que convocou a paralisação, apontavam para uma adesão de 75% dos trabalhadores das empresas do grupo CTT nas primeiras horas.

De acordo com Vítor Narciso, secretário-geral do sindicato afecto à CGTP, a taxa terá agora baixado para "pouco mais de 60%", tendo o SNTCT contabilizado cerca de 3.900 trabalhadores, disse o responsável ao Negócios.

 

Já os CTT detalham que "a distribuição de correio manteve-se em níveis normais ou perto do normal, a nível global do país, sendo que a distribuição do correio prioritário está garantida". Além disso, segundo a mesma fonte, todas as lojas CTT estão abertas," com níveis de adesão à greve quase inexistentes". 

 

A greve de um dia foi convocada pelo SNTCT, afecto à CGTP, no seguimento do acordo da actualização salarial dos trabalhadores dos CTT entre 0,7% e 1,3%, com um aumento mínimo garantido de 10 euros.

 

O SNTCT foi o único dos onze sindicatos que representam os trabalhadores dos Correios que não assinou o acordo com a administração da empresa por considerar que esta actualização é "ilegal".

Para garantir eventuais constrangimentos resultantes desta paralisação, os CTT realizaram uma distribuição extraordinária de correio na passada sexta-feira e em alguns casos no sábado e" por isso não se esperam atrasos no cumprimento dos padrões de qualidade da entrega de correspondência", acrescenta a empresa.

Ver comentários
Saber mais CTT Francisco Lacerda Sindicato Nacional dos Trabalhadores dos Correios e Telecomunicação SNTCT grupo CTT CGTP Correios sindicatos
Mais lidas
Outras Notícias