Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

CTT acreditam que Banif não pode contestar exercício de direito de preferência da Caixa

Os Correios de Portugal acreditam que o Banif não tem base para contestar o exercício do direito de preferência por parte da Caixa Geral de Depósitos em relação ao Banco Postal, disse ontem Luís Nazaré, presidente dos CTT, à margem do jantar da APDC – Ass

Negócios 21 de Setembro de 2005 às 11:21
  • Partilhar artigo
  • ...

Os Correios de Portugal acreditam que o Banif não tem base para contestar o exercício do direito de preferência por parte da Caixa Geral de Depósitos em relação ao Banco Postal, disse ontem Luís Nazaré, presidente dos CTT, à margem do jantar da APDC – Associação Portuguesa para o Desenvolvimento das Comunicações onde foi orador.

No entanto, no passado fim-de-semana, Horácio Roque, presidente do Banif, citado pelo «Expresso», deixava entender que o Banif não ia ficar quieto, tendo declarado que «vamos ver o que se vai passar. Muita água ainda vai correr debaixo das pontes».

Luís Nazaré, ontem, diz não ver como o Banif pode contestar o exercício do direito de preferência da Caixa, que já estava previsto quando os CTT e o Banif assinaram o memorando de entendimento no início deste ano para o desenvolvimento conjunto do Banco Postal. Isto aconteceu durante o mandato da anterior administração dos CTT, liderada por Carlos Horta e Costa. Apesar desse memorando, a Caixa resolveu exercer o seu direito de preferência.

CTT e CGD estão em conversações, garantiu Luís Nazaré, que, recentemente, em entrevista ao «Negócios à parte», transmitido na 2:, que a questão seria resolvida dentro de dias. Agora não dá timings, mas garante «vamos ter banco».

Qualquer decisão terá, no entanto, de ser aprovada em assembleia geral de accionista, sendo que a Caixa e os CTT partilham como accionista único o Estado.

O Banco Postal é um dos projectos dos CTT para contrariar a tendência de queda das receitas provenientes do negócio tradicional de correspondência postal.

Outras Notícias