Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

DBRS: Caso Novo Banco afecta confiança e acesso da banca aos mercados

A decisão de retirar apenas parte dívida sénior do Novo Banco prejudica a confiança dos investidores e "pode atrasar o total acesso dos bancos portugueses aos mercados financeiros", segundo a agência canadiana DBRS.

Bruno Simão/Negócios
Diogo Cavaleiro diogocavaleiro@negocios.pt 15 de Janeiro de 2016 às 13:38
  • Assine já 1€/1 mês
  • 19
  • ...

A recapitalização do Novo Banco à custa de alguns detentores de dívida sénior pode afectar todo o sistema bancário português, na óptica da agência de notação financeira DBRS. À partida, a reputação poderá ser afectada.

 

Segundo uma nota publicado esta sexta-feira, 15 de Janeiro, a operação decidida pelo governador Carlos Costa (na foto) tem a possibilidade de "aumentar os riscos reputacionais para o sector bancário português, o que poderá ter impacto sobre o sentimento e a confiança dos investidores nos bancos portugueses".

 

A agência de "rating" canadiana considera que a selecção de cinco linhas de obrigações para serem transferidas do Novo Banco para o BES ignora o princípio de "pari-passu", que é o de igualdade de tratamento perante instrumentos financeiros da mesma categoria. Contudo, houve dívida sénior que permaneceu como responsabilidade da instituição financeira liderada por Eduardo Stock da Cunha e outra, avaliada em 1.985 milhões de euros, transitou para o banco "mau". O que, diz a DBRS, "cria incertezas sobre a forma como o regulador pode tratar os credores em Portugal no futuro".

 

Esta acção, que já mereceu contestação por parte dos mais atingidos (a Pimco tem sido o grande exemplo), poderá mesmo ter um impacto mais directo nos restantes bancos do sistema: "pode atrasar o total acesso dos bancos portugueses aos mercados financeiros devido à mais fraca confiança dos investidores e a maiores custos".

 

Assim, a banca portuguesa deverá enfrentar uma pressão adicional já que a DBRS defende que poderão ser exigidos níveis de capital mais elevados para os bancos portugueses. Apesar disso, a agência canadiana sublinha que a actual capitalização "é adequada", ainda que espere que sejam exigidos "mais reforços de capital no futuro".

 

A transmissão de dívida do Novo Banco, feita com o objectivo de reforçar os seus rácios e cobrir as necessidades de capital detectadas pelos testes de stress, já tinha levado a DBRS a cortar o "rating" das obrigações do banco, classificando-as com uma notação de "CCC (elevado)", onde não aconselha o investimento por considerá-lo altamente especulativo. Tudo por conta do impacto na confiança.

 

A Fitch também comentou esta operação decidida pelo Banco de Portugal (de que o Governo português e o Banco Central Europeu já declararam não ter quaisquer responsabilidades) e defendeu que a possibilidade de transferir dívida um ano e meio depois da resolução é um risco que tem de ser incorporado nos bancos de transição. A Moody’s cortou o "rating" do Novo Banco apesar da recapitalização, acreditando que ainda há motivos para temer problemas de capital na instituição.

 

Ver comentários
Saber mais Novo Banco BES Eduardo Stock da Cunha Fitch Banco de Portugal Banco Central Europeu rating
Outras Notícias