Telecomunicações Depois de escolherem pagamento, credores da Oi têm ainda de provar que detêm títulos

Depois de escolherem pagamento, credores da Oi têm ainda de provar que detêm títulos

Já fechou o período para os credores da Oi escolherem a modalidade de pagamento para os seus títulos. Mas ainda têm um prazo para provar que eram, até 8 de Março, detentores desses empréstimos.
Depois de escolherem pagamento, credores da Oi têm ainda de provar que detêm títulos
Reuters
Alexandra Machado 09 de março de 2018 às 14:44

O período para os credores da Oi escolherem a modalidade de pagamento para os seus créditos terminou no passado dia 8 de Março. Não podem mais escolher a forma de reembolso, no entanto ainda têm de fazer prova de que são os titulares desses créditos. E têm até 15 de Março para o fazer.

Até 8 de Março decorreu o prazo para os credores da Oi individualizarem os seus créditos e escolherem a modalidade pela qual querem receber os juros e o capital em dívida. 

O prazo cessou. E quem comprar dívida depois dessa data já não poderá escolher a modalidade de pagamento. Conforme refere a Oi em comunicado, "as pessoas que adquirirem uma participação financeira em quaisquer títulos emitidos ou garantidos pela companhia depois de 8 de Março de 2018 não farão jus a escolher a forma de pagamento dos títulos adquiridos, mas estarão autorizadas somente a receber a modalidade padrão de pagamento descrita no Plano com respeito a esses títulos".

Para quem escolheu a modalidade o processo também ainda não terminou. De acordo com o mesmo comunicado, "para uma escolha da opção de pagamento feita por um investidor qualificado ser válida, o investidor qualificado deverá fornecer, até as 17:00 do dia 15 de Março de 2018, horário da cidade de Nova York, prova de titularidade da participação financeira em todos os títulos de cada série detidos". Em Nova Iorque são menos cinco horas que em Lisboa.

A Oi não faz ainda qualquer balanço da operação de créditos. 

Os advogados em Portugal, que têm representado titulares de créditos da Oi, disseram num primeiro momento que o tempo dado para a individualização e escolha da modalidade era curto. Acabou, mesmo, por ser alargado de 26 de Fevereiro para 8 de Março.

António Carneiro Pacheco, sócio da Carneiro Pacheco & Associados, tinha, aliás, salientando ao Negócios a dificuldade de ter de se pedir "declarações bancárias com novas datas, uma vez que a Oi exige prova de detenção das obrigações em data posterior ao termo do prazo da escolha da opção de pagamento". 




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
AnónimoB 09.03.2018

Está quase... Em breve iremos saber o verdadeiro propósito desta novela entre a Pharol e a Oi, vamos lá ver com esta confusão toda quantos credores é que vão na onda de serem pagos em acções e como tal iremos saber se a diluição ficará mais perto da proposta da Oi >75% o da dos acionistas [60-70%].

Anónimo 09.03.2018

"Cá se fazem, cá se pagam "!
A Pharol junta os responsáveis pelo descalabro da PT, que "enganaram" milhares de aforradores portugueses que emprestaram dinheiro àquela que era a maior empresa portuguesa. Entregaram a dívida à brasileira OI que agora não paga. A Pharol vai ter o que merece.

Anónimo 09.03.2018

Qual o interesse desta noticia? Sra. jornalista, diga nos quando é que a Pharol entrega as ações da Oi aos seus accionistas porque assim podemos libertar deste bando de trafulhas.

Camponio da beira 09.03.2018

Bela caldeirada, quer dizer as pessoas investiram em Portugal e agora o dinheiro está no Brasil...

Saber mais e Alertas
pub