Comércio Dona do Burger King estuda compra da Domino’s Pizza

Dona do Burger King estuda compra da Domino’s Pizza

A RBI, que detém o Burger King e a Tim Hortons, estará a estudar a aquisição da Domino's Pizza, a cadeia de pizarias que entrou em Portugal em 2015.
Dona do Burger King estuda compra da Domino’s Pizza
Rita Faria 20 de fevereiro de 2018 às 10:34

A Restaurant Brands International (RBI), que detém a Burger King, está a estudar uma oferta pela Domino’s Pizza, avança o Brazil Journal, acrescentando que o processo está já em fase avançada.

Segundo a mesma fonte, a compra da cadeia de pizarias que entrou em Portugal em 2015, preencheria uma lacuna importante no portefólio de marcas da RBI – que além do Burger King detém a Popeyes e a Tim Hortons – e marcaria a entrada da firma de investimento 3G Capital (dona da RBI) num dos segmentos de maior crescimento da indústria de fast food.

Na análise dos potenciais alvos de aquisição, a RBI também terá considerado a Yum Brands, dona da Pizza Hut e KFC, mas a preferência terá recaído sobre a Domino’s, devido à aposta na tecnologia que transformou o seu modelo de negócio.

O Brazil Journal lembra que, actualmente, mais de 60% dos pedidos de pizza da Domino’s nos Estados Unidos são feitos por canais online, sendo que há 11 alternativas, incluindo mensagem de texto, Twitter, Facebook Messenger, Apple Watch, Alexa da Amazon, Google Home, Samsung TV, Ford Sync, além da própria aplicação da Domino’s.

A Domino's assume a liderança destacada no crescimento de vendas do sector de 'quick-service restaurants’ nos EUA, com as vendas LfL (comparáveis) a crescerem 8% ao ano, em média, o que compara com os 6% do Starbucks, a segunda empresa do ranking.

A Domino's opera cerca de 14.400 lojas em 85 países e entrega mais de 1 milhão de pizas por dia.

Na sexta-feira, a Domino’s valia 9.653,9 milhões de dólares em bolsa, enquanto a RBI valia 27.707 milhões, tendo fechado a sessão a ganhar 1,25% para 59,02 dólares. A Domino’s ganhou 1,40% para 220,74 dólares. Em Março de 2010, os títulos transaccionavam na casa dos 14 dólares. 



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
Saber mais e Alertas
pub