Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Dresdner reitera recomendação de «manter» para a EDP antes de resultados

O Dresdner Bank reiterou hoje a recomendação de «manter» para as acções da Energias de Portugal (EDP), com um «preço-alvo» de 2,4 euros. O banco de investimento estima que os lucros da empresa, a serem conhecidos hoje, devem crescer 49,7%, mas alerta que

Nuno Carregueiro nc@negocios.pt 25 de Outubro de 2004 às 14:51

O Dresdner Bank reiterou hoje a recomendação de «manter» para as acções da Energias de Portugal (EDP), com um «preço-alvo» de 2,4 euros. O banco de investimento estima que os lucros da empresa, a serem conhecidos hoje, devem crescer 49,7%, mas alerta que as incertezas à volta da empresa são mais importantes que os números.

Segundo as previsões do Dresdner, a EDP [EDP] deverá anunciar hoje que os lucros dos primeiros nove meses do ano cresceram 49,7% para 385,5 milhões de euros.

O EBITDA terá aumentado 10,7% para 1,462 mil milhões de euros e os resultados operacionais registado uma subida de 38,4% até aos 806 milhões de euros.

O banco de investimento afirma que na EDP Produção o EBITDA terá aumentado 9,6% devido à nova central eléctrica, enquanto na EDP Distribuição o EBITDA terá ficado estável.

A subida dos lucros fica a dever-se a alterações na contabilização dos resultados das subsidiárias e das provisões operacionais.

«Apesar do abrandamento face ao primeiro semestre, os resultados devem ser fortes, mas as atenções devem continuar centradas nas questões da regulação, aumento de capital e negócio do gás», refere o Dresdner.

A mesma fonte acrescenta que, «apesar de os números serem relevantes, não esperamos que os investidores lhes prestem muita atenção, mas que se foquem mais nas indicações sobre as questões da regulação, na primeira reacção à proposta das tarifas para 2005, potenciais alterações ao negócio de aquisição da Gás de Portugal e detalhes do aumento de capital».

As acções da EDP seguiam a descer 1,27% para os 2,33 euros. A empresa vai anunciar os resultados dos primeiros nove meses do ano ainda hoje.

Ver comentários
Outras Notícias
Publicidade
C•Studio