Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

"É muito importante criminalizar todos os actos de falsificação de informação contabilística"

Sem se prolongar muito, o governador do Banco de Portugal declarou que a falsificação de informação contabilística representa uma "quebra de confiança enorme".

Miguel Baltazar/Negócios
  • Assine já 1€/1 mês
  • 30
  • ...

Na audição parlamentar sobre o Banco Espírito Santo, o governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, afirmou que é "muito importante criminalizar todos os actos de falsificação de informação contabilística".

 

Essa falsificação corresponde, de acordo com o representante do regulador financeiro, a uma "quebra de confiança enorme", já que as entidades têm de respeitar o "princípio de veracidade e integridade". 

 

Carlos Costa falava depois de terem sido detectadas "irregularidades" nas contas da sociedade do Grupo Espírito Santo, Espírito Santo International, que colocam em causa "a completude e veracidade dos seus registos contabilísticos".

 

"Não preparação de contas consolidadas, não contabilização de passivos financeiros de elevada dimensão, sobrevalorização de activos, não reconhecimento de provisões para riscos e contingências diversas, suporte inadequado de registos contabilísticos e transacções cuja forma não corresponde à respectiva substância", apontava o documento emitido pelo ESFG a 29 de Maio.

 

Não há, neste momento, quaisquer acusações sobre qualquer um dos administradores do ESFG ou de sociedades do Grupo Espírito Santo. O Ministério Público anunciou hoje que existem "inquéritos em curso" sobre o Grupo Espírito Santo.

 

Entretanto, relativamente ao BES, cujo principal accionista é o ESFG, o Banco de Portugal vai já analisar os comportamentos da gestão anterior liderada por Ricardo Salgado numa auditoria determinada e anunciada esta sexta-feira.

Ver comentários
Saber mais Carlos Costa BES Banco de Portugal
Outras Notícias