Energia EDP entra na Colômbia e estuda projectos em Moçambique

EDP entra na Colômbia e estuda projectos em Moçambique

A EDP vai entrar na Colômbia com a construção e concessão de uma barragem, reforçando a presença na América Latina, e está a analisar projectos em Moçambique, disse à Lusa o administrador João Marques da Cruz.
EDP entra na Colômbia e estuda projectos em Moçambique
Lusa 02 de março de 2018 às 13:00

Em declarações à Lusa, João Marques da Cruz adiantou que na Colômbia está em causa a aquisição do direito de construir e explorar um projecto hidroeléctrico, com capacidade de 179 MW, designado Talasa, no departamento de Chocó, que é propriedade da Macquarie Development Corporation.

A aquisição que deverá ser concluída nas próximas semanas será em parceria com China Three Gorges (CTG), principal accionista da eléctrica liderada por António Mexia, mas que desta vez terá 20% do capital, em vez de 50% como acontece no outro investimento recente na América Latina - a barragem no Peru.

"Talasa tem todas as licenças dadas pelo Estado colombiano, tem prioridade, porque é considerado um projecto de interesse nacional", acrescentou Marques da Cruz.

A intenção é iniciar "dentro de um ano" a construção da barragem, que representa um investimento de 356 milhões de dólares (292 milhões de euros).

Entretanto, ainda esta década, o responsável de internacionalização da EDP acredita ser possível ter projectos em países africanos de língua oficial portuguesa (PALOP), com Moçambique a ser prioridade devido ao seu "elevado potencial hídrico" e às interligações com a África do Sul.

"Temos que manter a nossa plataforma de crescimento que é a EDP Renováveis, com a EDP Brasil, e abrir uma nova plataforma de crescimento que é a Hydro Global [parceria com a CTG], vocacionada para projectos hídricos não só na América Latina", explicou, referindo que é nesse contexto que a empresa está a equacionar "projectos nos PALOP" e "Moçambique está na linha da frente".

Admitindo que "sem dúvida" é para avançar ainda esta década, o responsável não quis referir os projectos que estão a ser analisados.

Foi através da Hydro Global, que em 2017 a EDP se estreou no Peru, onde em 01 de Setembro iniciou a construção de uma barragem, com capacidade de 209 MW, nos Andes, a 3.000 metros de altitude, um investimento de 450 milhões de dólares (369 milhões de euros), começar a produzir em 2022.

"É um trabalho complexo, será a barragem com maior altitude que a EDP tem", disse Marques da Cruz, realçando que o investimento da eléctrica neste mercado não ficará por aqui.

Para o administrador responsável pela internacionalização, "é uma lógica de aumentar o 'portfolio' dentro da mesma tecnologia do que uma expansão para outros negócios, sobretudo porque há grandes economias de escala".

O Peru é "um bom mercado", considerou, explicando que "é possível haver PPA [power purchase agreement, isto é, acordos para a compra da energia a longo prazo], o que dá a possibilidade de 'cash flow' futuros" à empresa.

Na quinta-feira, após o fecho do mercado, a EDP anunciou um aumento em 16% dos lucros atribuíveis aos accionistas para 1.113 milhões de euros, impulsionado pelo crescimento da EDP Renováveis e pela EDP Brasil, que compensou a queda para metade nas operações em Portugal.

 




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo 02.03.2018

Com que dinheiro? O Mexia ate quer aumentar dividendos e a divida paira sobre os €14 mil milhões e para isso tiveram de vender umas jóias. Os chineses devem querer a EDP de joelho e depois resgatam ao preço da uva mijona e quem se lixa é o mexilhão...o mexia safa se sempre.

Anónimo 02.03.2018

Com a seca e as alteraçoes ,tempestades ,tornados,furacoes etc não será mais racional investir em centrais nucleares?

Saber mais e Alertas
pub