Bolsa EDP Renováveis sobe para novo máximo de 2009

EDP Renováveis sobe para novo máximo de 2009

As acções da EDP Renováveis estão a subir e já atingiram um novo máximo de 2009, numa altura em que o sector da energia está sob os holofotes devido a notícias de fusões e aquisições na Europa.
Sara Antunes 14 de março de 2018 às 13:08

As acções da EDP Renováveis estão a subir 1,41% para 7,55 euros, tendo já tocado nos 7,60 euros, o que corresponde ao valor mais elevado desde Setembro de 2009. Desde o início do ano, a empresa liderada por João Manso Neto está a acumular um ganho superior a 8%.

 

Já a EDP está a recuar 0,30% para 3,041 euros, pondo fim ao maior ciclo de ganhos desde Agosto. Nos últimos oito dias a eléctrica acumulou um ganho superior a 12%, negociando em níveis de Novembro. Desde o início do ano, a EDP sobe 5,23%, sendo a quinta cotada com melhor desempenho no índice europeu Stoxx de utilities. 

A subida destas empresas surge numa altura em que se vive alguma euforia no sector das utilities, com algumas empresas a fundirem unidades. Esta quarta-feira, 14 de Março, a contribuir para os ganhos da EDP Renováveis estarão também as declarações de Nuno Alves, administrador financeiro da EDP. O responsável disse à Bloomberg que a eléctrica quer ser a única dona da Renováveis até 2020, apesar de não haver planos para o curto prazo.

As declarações foram proferidas precisamente num contexto de fusões e aquisições no sector. "Tornou-se um negócio tão importante que queremos a maioria, se não os 100%, destas empresas", afirmou. "É uma área de crescimento. É um negócio tão importante hoje em dia no mundo das ‘utilities’ que as empresas querem-no na totalidade", salientou o responsável.

 

A marcar os últimos dias esteve o negócio entre a EON e a RWE. A EON vai comprar a Innogy, empresa de energia renovável da RWE, num negócio avaliado em 22 mil milhões de euros. Nesta operação a EON vai ficar com as unidades de retalho e de transporte de energia das duas empresas, enquanto a RWE vai ficar com o negócio de renováveis assim como parte da EON.

 

A Bloomberg salienta que a italiana Enel, a francesa Electricité de France e a espanhola Iberdrola também já realizaram operações que trouxeram de volta para a casa-mãe os activos de energias renováveis.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
valt 14.03.2018

Desde que as paguem bem. Depois destes anos todos compradas a 8€ sem nada ganhar e ainda com dupla tributacao,teem de pagar 15€ se as quizerem, seus gatunos

EDP uma jogada de Mestre 14.03.2018

AO ADQUIRIR 100% da EDPRENOVÁVEIS, CRIA MAIS VALOR AOS SEUS ACIONISTAS (EDP) TUDO INDICA QUE O VALOR DOS DIVIDENDOS SOBE NO FUTURO, O MESMO SE PASSA COM O VALOR DA COTAÇÃO. NÃO VAI SER DIFICIL, UMA VEZ QUE SÓ HÁ 17% DE AÇÕES DISPERSAS DA EDPR. PELOS PEQUENOS ACIONISTAS

Anónimo 14.03.2018

Ao contrário de outras empresas do sector, a PT nada teve de inovador ao longo da sua história. A PT tinha um monopólio protegido e por vezes subsidiado, importava tecnologia sob a forma de hardware e software, e o dinheiro rolava neste cantinho à beira mar plantado. Depois tentou expandir-se para o único sítio onde tinha competência para penetrar sem ser votada à mais absoluta irrelevância - o Terceiro Mundo, e nem aí foi bem sucedida. Mais nada. É mais ou menos como a EDP, se bem que esta última, para além de operar num sector caracterizado por uma conjuntura assente em forte subsidio-dependência estrutural, está a aprender com os estrangeiros do Primeiro Mundo e com os erros da própria história de insucesso da PT. Pode ser que no final se saia bem melhor se aprender também a erradicar o excedentarismo e sobrepagamento de carreira de forma conveniente e atempada.

pub