Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

EDP Renováveis classifica Polónia como "opção de longo prazo"

A presidente executiva da EDP Renováveis, Ana Maria Fernandes, afirmou hoje na inauguração do primeiro parque eólico na Polónia que este mercado é uma opção de longo prazo , revelando que já no próximo ano a empresa avançará com um novo empreendimento cuja primeira fase terá 48 megawatts (MW) de capacidade.

Miguel Prado miguelprado@negocios.pt 15 de Outubro de 2009 às 15:57
A presidente executiva da EDP Renováveis, Ana Maria Fernandes, afirmou hoje na inauguração do primeiro parque eólico na Polónia que este mercado “é uma opção de longo prazo”, revelando que já no próximo ano a empresa avançará com um novo empreendimento cuja primeira fase terá 48 megawatts (MW) de capacidade.

“Queremos crescer neste mercado e estamos certos de que este e outros mercados à volta da Polónia podem ser no futuro uma grande surpresa para a Europa”, referiu a CEO da EDP Renováveis, durante a cerimónia de inauguração do parque eólico de Margonin, com 120 MW de potência. Trata-se do primeiro projecto do grupo na Polónia e simultaneamente é o maior parque eólico do território polaco.

Com o parque de Margonin, na região Noroeste da Polónia, a EDP Renováveis fica desde já como segundo ‘player’ do mercado eólico polaco, apenas atrás da espanhola Iberdrola, que tem 161 MW em operação e mais 34 MW em construção.

Para 2010 a EDP Renováveis tem previsto um novo parque na Polónia. Numa primeira fase este empreendimento, na localidade de Korsze, terá 48 MW, a que se somarão outros 80 MW mais tarde.

Em 2011 a EDP Renováveis avançará com um outro empreendimento em terras polacas, com uma capacidade de cerca de 120 MW, informou ainda Ana Maria Fernandes.

A responsável da EDP Renováveis manifestou às autoridades locais a sua satisfação com as condições encontradas. “Olhámos para o ‘mix’ de produção da Polónia e logo concluímos que aqui havia margem para melhorar. Rapidamente encontrámos as pessoas e os projectos certos para avançar”, afirmou. Ana Maria Fernandes fez questão de destacar a estabilidade do regime regulatório polaco como vantagem deste mercado.

Para a Polónia a EDP Renováveis tem um ‘pipeline’ de projectos (herdados com a compra da Relax Wind Parks) superior a 1.200 MW, que tornarão este país um dos principais mercados europeus para a empresa controlada a 77% pelo grupo EDP.

* - Jornalista, em Poznan, a convite da EDP Renováveis

Ver comentários
Outras Notícias
Publicidade
C•Studio