Indústria Efacec abre programa para recrutar 700 pessoas

Efacec abre programa para recrutar 700 pessoas

Processo de recrutamento da empresa maiata vai durar até 2020 e privilegiará a diversidade de género. Efacec quer captar talento, em especial nas áreas da mobilidade eléctrica e automação.
Efacec abre programa para recrutar 700 pessoas
Ricardo Castelo
Celso Filipe 07 de março de 2018 às 15:49

A Efacec vai contratar 700 quadros até 2020, através de um programa a que chamou "700 Recruta+". A empresa explica, em comunicado divulgado esta quarta-feira, 7 de Março, que a acção de recrutamento irá abranger as diferentes áreas de negócios onde opera, mas "com um foco especial na mobilidade eléctrica e automação".

O programa agora lançado pela Efacec irá também "privilegiar a diversidade de género", tendo como objectivo chegar a 2020 como 500 mulheres nos quadros da empresa. Actualmente, a Efacec emprega 2.300 pessoas. "Com este programa, pretendemos recrutar a nova vaga de talento que construirá a história da Efacec nos próximos 20 anos", sublinha no referido comunicado o CEO da Efacec, Ângelo Ramalho.

A Efacec, com sede na Maia, lembra ainda que iniciou um reposicionamento estratégico há dois anos, coincidindo com a entrada da empresária angolana, Isabel dos Santos, no capital da empresa. Com esta mudança accionista "a empresa iniciou uma fase de reposicionamento do seu portfolio, que se traduziu num aumento do volume de negócios e melhoria da rentabilidade dos seus produtos e serviços", descreve-se no comunicado, onde se acrescenta que "foram ainda revistos os processos de gestão estratégica de recursos humanos, com o objectivo de modernizar os processos de desenvolvimento das pessoas e gestão de carreiras e adaptar as funções aos imperativos dos sectores e mercados onde actua.

Em Fevereiro deste ano, a Efacec inaugurou a sua nova unidade de mobilidade eléctrica, a qual representou um investimento de 2,5 milhões de euros s servirá para aumentar a capacidade anual de produção de carregadores rápidos para veículos eléctricos.  Na altura, Isabel dos Santos, explicou assim as ambições da empresa. "Pretendemos ser empregador de referência em Portugal, formando quadros capazes de levar as suas competências a qualquer canto do mundo e acolhendo também aqui os melhores talentos internacionais".


Uma meta que Ângelo Ramalho reforça no comunicado. "A Efacec tem-se assumido desde sempre como um protagonista na evolução das tecnologias ligadas à energia, ambiente e mobilidade. Este papel da Efacec não seria possível sem um foco no desenvolvimento do talento, pelo que a gestão das pessoas se assumiu como um dos principais processos estratégicos".



A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo 17.03.2018

Ao mesmo tempo que rescindem contratos, sai para o publico que vão contratar 700 pessoas !?!?!

Anónimo 08.03.2018

A EFACEC ganharia muito terreno na área da energia acumulada, com ligações na área da energia renovável, onde os motores elétricos funcionassem sem ligação á rede eléctrica.

Anónimo 07.03.2018

Acho que deviam ter vergonha. Este tipo de notícias são pagas. A efacec dificilmente sobrevive até 2020.

pub