Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Ence considera preço da OPA não corresponde ao valor da empresa

A Ence, detida em 8% pela Portucel, considera o preço proposto pela Caixa Galicia e do Banco Zaragozano na oferta pública de aquisição (OPA) de 10% do capital da papeleira, não corresponde ao valor real da empresa.

Ana Torres Pereira atp@negocios.pt 23 de Dezembro de 2002 às 13:53
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...
A Ence, detida em 8% pela Portucel, considera o preço proposto pela Caixa Galicia e do Banco Zaragozano na oferta pública de aquisição (OPA) de 10% do capital da papeleira, não corresponde ao valor real da empresa, diz José Luis Méndez Lopéz, presidente da empresa.

O Banco Zaragozano e a Caixa Galicia são dois dos parceiros a quem foi atribuído um lote de 25% do capital da Ence na privatização da papeleira espanhola, pretendendo reforçar a sua posição na Ence em 10% a 14,5 euros por cada título.

O responsável, em comunicado, referiu que é do interesse da administração «a realização da OPA», o que demonstra «a confiança no futuro da Ence e na sua solidez patrimonial e na sua capacidade de crescimento».

O conselho de administração da Ence «considera que o valor potencial das acções da empresa é muito superior não só relativa à cotação actual, como ao valor da oferta» realizada pelas duas entidades, segundo a mesma fonte.

As acções da empresa papeleira, nos doze meses antecedentes à oferta, têm registado uma desvalorização de cerca de 7%, a um preço de cerca de 13,40 euros.

Ence paga dividendo de 0,15 euros em 2002

A Ence aprovou também, em assembleia geral, o pagamento de um dividendo bruto de 0,15 euros por acção, relativo ao exercício de 2002, revelou a mesma fonte. Este dividendo será pago a partir de 27 de Dezembro, do corrente ano.

Os lucros da espanhola Ence caíram 11,8% nos primeiros nove meses do ano, para os 23,20 milhões de euros, enquanto as vendas aumentaram 0,7%.

As vendas, no período em análise, registara um acréscimo de 0,7% para os 363 milhões de euros. A divisão de celulose atingiu os 17,2 milhões de euros, nos primeiros nove meses de 2002.

Outras Notícias