Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Espanha permite emissão de 84,56 milhões de toneladas de dióxido carbono por ano

O governo espanhol garantiu às eléctricas daquele país, como a participada da EDP, Hidrocantábrico, à Endesa e à Unión Fenosa, direitos para emitirem 84,56 milhões de toneladas de dióxido carbono por ano, a começar em 2005, a partir de unidades já existen

Ana Filipa Rego arego@negocios.pt 26 de Novembro de 2004 às 15:47

O governo espanhol garantiu às eléctricas daquele país, como a participada da EDP, Hidrocantábrico, à Endesa e à Unión Fenosa, direitos para emitirem 84,56 milhões de toneladas de dióxido carbono por ano, a começar em 2005, a partir de unidades já existentes.

Está previsto que as empresas emitam 11% mais do que o objectivo atribuído, ou seja 94 milhões de toneladas por ano, entre 2005 e 2007, segundo o instituto espanhol para a eficiência e diversificação de Energia.

O governo espanhol vai permitir mais 1,6 milhões de toneladas para novas entradas, realizadas a partir de Setembro de 2004.

A diferença entre o alvo previsto de emissões e o que se estima emitir vai resultar em custos para as empresas no valor de 81 milhões de euros se estas comprarem direitos no mercado aos preços actuais, que ascendem a uma média de 8,57 euros por tonelada, segundo analistas citados pela Bloomberg.

A União Europeia aprovou o comércio de licenças de emissões de dióxido de carbono, que arrancará em Janeiro de 2005 numa fase experimental. Esta medida visa a redução das emissões de gases com efeito de estufa por parte dos principais sectores industriais e é um dos mecanismos previstos no Protocolo de Quioto.

Os limites vão ser estabelecidos com base em quantas toneladas de dióxido de carbono podem as empresas emitir e quantos créditos para o montante que lhes é atribuído. As empresas que emitem mais vão necessitar de comprar créditos extra, enquanto as que emitem menos podem vender os créditos não usados, concedendo-lhes um incentivo para reduzir a poluição.

O governo espanhol colocou hoje no seu «site» uma lista com as atribuições de emissões, que poderão vir a ser abertas à consulta pública até dia 3 de Dezembro. As empresas podem fazer perguntas acerca das mudanças nas atribuições até essa altura. O governo vai publicar uma lista final para ser aprovada pelo parlamento antes do final do ano, disse Emílio Jarillo, um porta-voz do Ministério da Indústria e da Energia, à agência noticiosa norte-americana.

A Espanha planeia reduzir as emissões durante o período entre 2005 e 2007 para os níveis de 2002, quando a indústria de Energia produziu 89 milhões de toneladas de dióxido carbono.

A lei, que entra em vigor em Janeiro, vai cobrir 40% das emissões do país. A indústria de Energia perfaz 22% das emissões de Espanha.

A Hidroeléctrica del Cantábrico é participada pela Energias de Portugal, que vai reforçar para 95,7% o seu capital na eléctrica espanhola.

A Comissão Europeia aprovou dia 20 de Outubro os planos de negociação de emissões de oito países entre os quais se encontra o Plano Nacional de Alocação de Emissões (PNALE) de Portugal, que permitirá ao país participar no mercado europeu a partir de 2005.

As acções da EDP [edp] seguiam a avançar 0,44%, para 2,27 euros.

Outras Notícias
Publicidade
C•Studio