Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

EuPago vai substituir bancos nas cobranças por débito direto

A “fintech” portuguesa estima processar dois milhões de transações, já no próximo ano, naquele que é o segundo meio de pagamento mais utilizado em Portugal, logo a seguir aos cartões.

Rui Neves ruineves@negocios.pt 17 de Junho de 2019 às 12:02
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

A EuPago, que foi já este ano autorizada pelo Banco de Portugal a funcionar como instituição de pagamento ao abrigo da DSP2 (nova diretiva de serviços de pagamento), pretende substituir a banca nas relações das empresas com os seus devedores, passando a fazer cobranças por débito direto "junto das empresas portuguesas de menor dimensão por não disporem de força negocial junto dos seus bancos", anunciou a "fintech" portuguesa.

 

Recordando que os custos de cobrança representam já 4,5% do PIB nacional, sendo que apenas 14% dos pagamentos são efetuados dentro dos prazos contratados, a EuPago lembra que, segundo o Relatório de Sistemas de Pagamento do Banco de Portugal, os débitos diretos foram o segundo meio de pagamento mais utilizado em Portugal, logo a seguir aos cartões.

 

"Os débitos diretos deixaram de ser exclusivos dos bancos e até o recente sistema de pagamento de impostos usado pelo Fisco já pode ser utilizado por qualquer profissional", explica José Veiga, co-CEO da EuPago, em comunicado.

 

A EuPago tem como objetivo processar dois milhões de transações já em 2020, o correspondente a cerca de 10% do seu volume de pagamentos.

 

"Acredito que, dos dois milhões de transações que estimamos, 80% vão ser processadas pela primeira vez, o que traduz bem a importância desta medida", enfatiza o mesmo gestor.

 

A EuPago pretende este ano duplicar, "pelo menos", os três milhões de transações efetuadas em 2018, ano em que, afiança, transacionou 128 milhões de euros.

 

Ver comentários
Saber mais eupago fintech débitos diretos josé veiga
Mais lidas
Outras Notícias