Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Ferreira de Oliveira diz que a Galp tem "um balanço fortíssimo"

CEO da petrolífera garante que a Galp tem todas as suas necessidades de financiamento asseguradas até ao final de 2011.

Miguel Prado miguelprado@negocios.pt 30 de Julho de 2010 às 13:17
  • Assine já 1€/1 mês
  • 1
  • ...
O presidente executivo da Galp Energia, Manuel Ferreira de Oliveira, considera que o grupo mantém "um balanço fortíssimo", classificando-o como "sólido e confortável" se comparado com os balanços de outras empresas do PSI-20.

No primeiro semestre a dívida líquida da Galp atingiu 2,48 mil milhões de euros, face a 1,93 mil milhões em Dezembro de 2009. O rácio dívida líquida sobre capitais próprios passou de 81% para 96%. Mas isso não preocupa Manuel Ferreira de Oliveira.

"Temos como objectivo que a nossa dívida não deve ultrapassar os capitais próprios. Foi esse o nosso compromisso com os accionistas", referiu o presidente da Galp na apresentação dos resultados do primeiro semestre.

O CEO da petrolífera portuguesa indicou ainda que o grupo tem todas as suas necessidades de financiamento cobertas até ao fim de 2011. E será a partir de 2012 que a Galp Energia começará a libertar mais recursos das suas operações, nomeadamente com resultados dos investimentos que estão a ser feitos nas refinarias e na exploração petrolífera em Angola e no Brasil.

Temos bons resultados quando comparados com o ano anterior, mas no ano passado apresentámos maus resultados.

Manuel Ferreira de Oliveira
CEO da Galp Energia
Quanto aos resultados do primeiro semestre, Ferreira de Oliveira mostrou-se satisfeito, mas recordou que 2009, a base de comparação, foi um ano mau. "Temos bons resultados quando comparados com o ano anterior, mas no ano passado apresentámos maus resultados", reconheceu o presidente da Galp.

Sobre o futuro, Ferreira de Oliveira diz ver as variáveis que afectam os negócios da Galp "a evoluir favoravelmente", ainda que 2010 deva continuar a ser um ano complicado ao nível do consumo de produtos petrolíferos na Península Ibérica.

Ver comentários
Outras Notícias