Telecomunicações Finlândia investe 844 milhões na Nokia para aumentar influência sobre a empresa

Finlândia investe 844 milhões na Nokia para aumentar influência sobre a empresa

O Estado finlandês comprou uma participação de 3,3% na Nokia para reforçar a sua influência na maior empresa do país.
Finlândia investe 844 milhões na Nokia para aumentar influência sobre a empresa
Reuters
Negócios com Reuters 13 de março de 2018 às 11:58

A Solidium, empresa pública da Finlândia que gere as participações do Estado em empresas, comprou uma posição de 3,3% na Nokia por 844 milhões de euros para a aumentar a influência do governo sobre a maior companhia do país, avança a Reuters.

"Acreditamos que este será um bom investimento. É preciso lembrar que a Nokia é a maior empresa da Finlândia e a participação do Estado tem sido muito pequena", afirmou o CEO da Solidium, Antti Makinen, em declarações à agência noticiosa.

A empresa liderada por Rajeev Suri (na foto), que já foi líder do mercado de telemóveis a nível global, era um dos grandes motores da economia finlandesa, representando cerca de 4% do PIB do país e 20% das suas exportações.

O colapso do seu negócio de telemóveis foi, por isso, um dos principais motivos da década de estagnação da economia da Finlândia, que só agora começa a dar sinais de crescimento sustentado.

Depois de ter vendido o seu negócio de telemóveis à Microsoft, em 2013, a empresa está agora focada na indústria de redes de telecomunicações, onde compete com a sueca Ericsson e com a chinesa Huawei.

"Os factores atractivos para nós são a forte posição de mercado da empresa combinada com uma ampla experiência tecnológica", afirmou Makinen à Reuters.

A Solidium gere participações minoritárias do Estado em 13 empresas finlandesas. As posições na Telia e na Sampo foram reduzidas nas últimas semanas para financiar o investimento na Nokia.

 

 

 

 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Lucas 13.03.2018

Cá é mais é nas empresas chinesas. A inveja é muito feia!... o Tuga não suporta ver portugueses com sucesso.

pub