Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Fosun abandona compra de seguradora israelita Phoenix

O grupo chinês detentor da Fidelidade e da Luz Saúde desistiu da corrida à seguradora Phoenix Holdings. A ditar o recuo do negócio de 413 milhões de euros esteve a volatilidade dos mercados e, avança a imprensa, a desconfiança do regulador israelita.

Liang Xinjun Guo Guangchang Fosun
Reuters
Inês F. Alves inesalves@negocios.pt 17 de Fevereiro de 2016 às 11:59
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

A Fosun International abandonou a compra da companhia de seguros israelita Phoenix Holdings, noticia o Financial Times. O grupo justifica a decisão com a volatilidade dos mercados, mas fontes próximas do processo adiantam que o negócio foi travado porque o regulador israelita exigia garantias de que o presidente Guo Guangchang – que foi detido em Dezembro – não está sob investigação das autoridades chinesas.

A Fosun informou em comunicado para a bolsa de Hong Kong esta quarta-feira que abandonou o negócio de compra anunciado em Junho do ano passado de uma quota maioritária da seguradora israelita Phoenix Holdings. O negócio ascendia a 1,2 mil milhões de shekels (413 milhões de euros).

Segundo o Financial Times, o grupo chinês emitiu um comunicado separado em que relaciona o cancelamento da compra com a volatilidade dos mercados.

Já a imprensa israelita, citada pelo jornal, avança que Guo Guangchang estava a ter dificuldades em conseguir que a compra da Phoenix avançasse uma vez que o regulador exigia uma confirmação oficial de que o presidente da Fosun não estava a ser investigado pelas autoridades chinesas, isto depois de Guangchang ter sido detido em Dezembro. A Fosun não confirmou se a compra da Phoenix caiu face à resistência dos reguladores.

As duas partes concordaram em terminar o negócio sem custos de cancelamento, informaram as empresas em comunicados separados.

Guo Guangchang, fundador e líder da Fosun, começou por estar incontactável por várias horas a 10 de Dezembro. As acções da empresa foram suspensas entretanto, tendo voltado a negociar depois de a empresa confirmar, a 11 de Dezembro, que o presidente estava detido no âmbito de investigações judiciais. Dois dias depois, o CEO da Fosun, Liang Xinjun, informou que "Guo Guangchang está a colaborar com as autoridades judiciais e a investigação não está relacionada com a empresa". A 14 de Dezembro, o presidente do grupo voltou a aparecer em público para participar na reunião anual da empresa, onde anunciou que o futuro do grupo será mais centrado na China.

Na altura da detenção não foram adiantados pormenores sobre a investigação em causa, mas em Agosto foi notícia o facto de a Fosun e o seu presidente estarem envolvidos num caso de favorecimento que pode configurar corrupção. Em causa estava a venda a preços inferiores aos praticados no mercado de imóveis ao presidente de uma empresa estatal chinesa. A Fosun justificou entretanto isto com descontos feitos numa época difícil para o imobiliário.

Agora, o Financial Times escreve que Guo Guangchang colaborou com as autoridades no âmbito de uma investigação a Ai Baojun, ex-preside de câmara de Xangai, citando fontes próximas do grupo que este lidera. Ai Baojun foi entretanto expulso do Partido Comunista Chinês e afastado do cargo em Janeiro deste ano.

A Fosun detém em Portugal a seguradora Fidelidade a Luz Saúde, além de uma participação de 5,3% na REN (Redes Energéticas Nacionais). O grupo chinês esteve também na corrida ao Novo Banco, cujas negociações foram suspensas pelo Banco de Portugal.

Ver comentários
Saber mais Fosun International Phoenix Holdings Financial Times Guo Guangchang Hong Kong Xangai Portugal Luz Saúde REN Novo Banco Fidelidade empresas
Mais lidas
Outras Notícias