Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Fusão do Banco Popular com Pastor tem aprovação de corpo accionista

Os jornais espanhóis escrevem que os principais detentores de capital do Banco Pastro apoiam o "acordo estratégico" com a instituição em que o português Américo Amorim tem uma participação.

Diogo Cavaleiro diogocavaleiro@negocios.pt 07 de Outubro de 2011 às 20:52
  • Partilhar artigo
  • ...
O Banco Popular Español tem o apoio de mais de 50% do capital do Banco Pastor para concretizar o “acordo estratégico” que vai unir as duas entidades espanholas.

De acordo com o “Expansión” e com o “El Mundo”, o principal accionista, a Fundación Pedro Barrié de la Maza com 42,176% do capital, vai dar o seu aval à “operação de integração” que foi hoje comunicada à CNVM, reguladora do mercado de capitais de Espanha.

A mesma fonte indica que também a sociedade de investimento Financiere Tesalia, com 5,041% do Pastor, e Amâncio Ortega, dono da Inditex (proprietária da Zara), apoiam o acordo que atribui um prémio de 31% sobre a actual valorização de mercado do Banco Pastor.

Fica, assim, assegurado, pelo menos, o apoio de mais de metade do capital do banco galego para ser integrado no Popular, banco em que Américo Amorim tem uma participação de 6,7%.

O “El Mundo” escreve mesmo que a oferta tem o aval de mais de 60% dos detentores de participações no Pastor.

O "compromisso irrevogável da aceitação dos accionistas do Banco Pastor que representem, pelo menos, 50,1% do capital social" do Pastor era uma exigência do "acordo estratégico", segundo comunicaram as empresas à CNMV.

Neste momento, o Banco Popular é o quinto maior banco espanhol. Com a operação, a situação não deverá alterar-se. De acordo com o "Cinco Días", a capitalização bolsista dos dois bancos alcançaria 5,8 mil milhões de euros, o que o faz permanecer atrás do Santander, BBVA, Caixabank e ainda do Bankia.

Na bolsa, as acções dos dois bancos foram hoje suspensas pela CNMV, depois o "El Confidencial" dar a notícia da operação sem confirmação oficial da mesma. À altura da suspensão, o Banco Pastor avançava 4,84% para 3,03 euros e o Popular ganhava 1,34% para 3,565 euros.


Ver comentários
Saber mais Banco Popular Español Banco Pastor fusão por integração CNVM
Outras Notícias