Energia Galp prevê atingir "centenas de megawatts" em energias renováveis nos próximos anos

Galp prevê atingir "centenas de megawatts" em energias renováveis nos próximos anos

A empresa diz que vai reforçar a sua aposta nas energias renováveis, com destaque para a energia solar em Portugal.
Galp prevê atingir "centenas de megawatts" em energias renováveis nos próximos anos
André Cabrita-Mendes 20 de fevereiro de 2018 às 14:06

A Galp garante que vai continuar a desenvolver a sua estratégia de produção de electricidade a partir de fontes renováveis nos próximos anos. A empresa detém duas centrais eólicas em Portugal e anunciou em 2017 que pretendia reforçar a sua aposta nas renováveis. Passado um ano deste anúncio, a companhia diz que espera um crescimento assinalável nesta área no médio prazo.

 

"Queremos desenvolver uma posição mais forte em soluções de carbono mais baixas. Hoje já estamos a explorar oportunidades, particularmente na produção de energia solar. O que significa que prevemos ter umas centenas de megawatts de capacidade instalada no início da próxima década", disse o presidente da Galp, Carlos Gomes da Silva, esta terça-feira, 20 de Fevereiro.

 

"Estamos numa fase inicial nas energias renováveis. Mas gostaríamos de começar na Península Ibérica, onde a exposição solar é uma das melhores do mundo", revelou o líder da Galp durante o "Capital Markets Days" em Londres.

 

A empresa terá já um acordo para comprar várias centrais solares, incluindo algumas promovidas pelo ex-director da Direcção Geral de Energia (DGEG), Miguel Barreto, conforme avançou o jornal Expresso. A Galp também pediu recentemente uma licença à DGEG para construir a sua primeira central solar, localizada em São Teotónio, concelho de Odemira, com uma capacidade de seis megawatts, segundo a Lusa.

 

Apesar da aposta nas renováveis, a Galp defende que o petróleo e o gás natural vão continuar a ser muito importantes no futuro. "Acreditamos que os hidrocarbonetos vão continuar a desempenhar um papel vital em fornecer a procura crescente de energia", defendeu o presidente da Galp, analisando o cenário global em 2040. Contudo, Carlos Gomes da Silva destacou que as "renováveis vão continuar a ganhar peso dentro do mix energético total".

 

Em termos de investimento, a companhia espera investir uma média de mil milhões de euros por ano até 2020, com 85% a destinarem-se ao desenvolvimento de produção de petróleo no Brasil, Angola e Moçambique. Após 2020, a empresa prevê investir entre 5% a 15% em energias renováveis e novos modelos de negócio. 

 

A empresa apresentou esta terça-feira os seus resultados de 2017, tendo registado um crescimento dos lucros em 25% para 602 milhões. A companhia também anunciou que vai propor um aumento dos dividendos em 10% para 55 cêntimos.

* O jornalista viajou para Londres a convite da Galp




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
RPG ( vendam tudo e COMPREM BCP ) 20.02.2018

pessoal amigo ATESTEM tudo o que puderem de MILENIUM BCP porque amanhã vai ser lançada UMA OPA a 0.75 por ação

pub