Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Gomes da Silva: "Espero que o eucalipto não tenha acabado"

A floresta era o tema da ida de Francisco Gomes da Silva, secretário de Estado da tutela, ao Parlamento esta quarta-feira, e a discussão não conseguiu evitar o eucaliptal.

Bruno Simão/Negócios
Isabel Aveiro ia@negocios.pt 23 de Julho de 2014 às 20:54
  • Partilhar artigo
  • 2
  • ...

O plano estratégico para a Floresta poderá "conduzir a um aumento de área da generalidade das restantes espécies", mas "essa preocupação não existe com o eucalipto", defendeu esta quarta-feira Francisco Gomes da Silva.

 

Confrontado com a pergunta da deputada Helena Pinto, do Bloco de Esquerda, sobre o facto de, de acordo com o documento apresentado esta quarta-feira no Parlamento – e preparatório da versão final da estratégia para a floresta – o eucaliptal já ter "ultrapassado [em área] a meta de 2030" e se "parou o eucalipto no nosso país", Gomes da Silva respondeu: "Eu espero que o eucalipto não tenha acabado".

 

"Não é uma meta que aí está", frisou o governante. O que o documento aponta "são cenários de um futuro desejado", referindo-se à apreciação do valor dos 800 mil hectares com ocupação de eucalipto.

 

Para o secretário de Estado da tutela, a questão não é a área. É o que se retira dela e em que quantidade. "Não é necessário aumentar as áreas para que se aumente a disponibilidade de matérias-primas" em cada área, dando o montado de sobro e a extracção da cortiça. "Olhar apenas para a área não é relevante – não é uma questão", frisou.

 

Com uma melhoria de 140 milhões de euros em 2013, o saldo da balança comercial dos produtos florestais foi excedentário em 2,5 milhões de euros em, 2013, com a área do "papel e cartão" a exceder o peso, pela primeira vez, da cortiça na conta final.

 

O saldo da categoria "papel e cartão" registou um acréscimo das vendas externas de 69,2 milhões de euros, passando o seu saldo a ser excedentário em 742,6 milhões de euros. Já a cortiça, "tradicionalmente considerado como líder neste indicador", registou um saldo de 700,4 milhões de euros.

 

Na categoria de "pasta de madeiras" o saldo, positivo, foi de 469,6 milhões de euros. E na madeira, embora se tenha verificado um decréscimo de 9,1 milhões de euros, foi atingido "um excedente global de 125,4 milhões de euros".

Ver comentários
Saber mais Francisco Gomes da Silva Floresta Helena Pinto floresta
Outras Notícias