Energia Governo aprova investimento de 25 milhões em central solar fotovoltaica em Sines

Governo aprova investimento de 25 milhões em central solar fotovoltaica em Sines

O Governo aprovou a atribuição da licença de produção à central solar fotovoltaica de Morgavel, em Sines, em regime de mercado, com uma potência de cerca de 45 megawatt (MW), num investimento previsto de 25 milhões de euros.
Governo aprova investimento de 25 milhões em central solar fotovoltaica em Sines
Jean-Paul Pelissier/Reuters
Lusa 03 de março de 2018 às 10:36

De acordo com o gabinete do secretário de Estado da Energia, Jorge Seguro Sanches, a ligação desta central à rede eléctrica de serviço público implica a construção de uma linha e um painel de linha, cujos custos serão suportados pelo promotor.

 

O promotor tem agora dois anos para iniciar a licença de exploração da central, a partir da data da licença de produção, e 30 dias para pagamento da respectiva caução à Direcção Geral de Energia e Geologia (DGEG).

 

Com a autorização deste projecto, eleva-se para 22 centrais, num total de 803 MW, a capacidade instalada de solar fotovoltaico aprovada pelo Governo em regime de mercado, isto é, sem apoios à produção.

 

Estes novos centros electroprodutores representam um investimento potencial de cerca de 590 milhões de euros.

 

Na portaria publicada na sexta-feira em Diário da República lê-se que "o elevado número de centrais fotovoltaicas sem tarifa subsidiada já aprovados pelo Governo, acrescido dos pedidos de licenciamento pendentes, excede, em algumas zonas de rede e, em larga escala, a capacidade de recepção na rede nacional de distribuição e transporte de electricidade".

 

Como resposta "ao forte interesse manifestado pelos promotores nacionais e internacionais", o Governo alterou o regime jurídico aplicado à produção de electricidade, e, nos casos em que os pedidos excedem a capacidade de recepção na rede, isto é, se sobrepõem, as licenças passam a ser atribuídas por concurso.

 

A DGEG tem até meados de Março para publicar o aviso do primeiro sorteio para a produção de electricidade que deve dar a conhecer a lista de pedidos de licenciamento a concurso.




A sua opinião8
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Alentejano 05.03.2018

mas ai já passamos para a área dos engenheiros. Mas no Hotel onde trabalho houve um projecto desses que a EDP ou a REN matou e julgo que deve haver um qualquer entrave legal a isso pois actualmente é economicamente rentável pelo menos na base de producção --> venda, deve haver um monopólio algures.

Alentejano 05.03.2018

e voltando ao estacionamento quem passou pelo Alentejo sabe que as temperaturas do alcatrão chegam a atingir ponto de fusão logo criar protecções solares que poderiam ser painéis solares iriam incrementar grandemente o conforto sem ocupar terras de cultivo o maior senão da ind. fotovoltaica.

Alentejano 05.03.2018

1º andar ou seja dobrar o espaço comercial! para suportar esse 1º andar seria necessária torres ou colunas de suporte que se poderiam estender para lá do telhado e tornarem-se torres eólicas! e se dá para o continente há-de de dar para o pingo doce de Évora ou o IKEA de Loulé

Alentejano 05.03.2018

a sério a razão para haver um tão grande volume no edifício deve ser para prevenir o excesso de calor, os painéis iriam ajudar a regular a temperatura ao criar uma separação entre os telhados metálicos e o sol de verão pois criariam sombras. com uma melhor conjuntura termica poderia-se criar um ...

ver mais comentários
pub