Empresas Governo chinês assume controlo da Anbang, o gigante que quis comprar o Novo Banco

Governo chinês assume controlo da Anbang, o gigante que quis comprar o Novo Banco

Wu Xiaohui, chairman da empresa, foi formalmente acusado de crimes económicos e será julgado. O governo chinês vai assumir o controlo da empresa durante um ano.
Governo chinês assume controlo da Anbang, o gigante que quis comprar o Novo Banco
Reuters
Negócios 23 de fevereiro de 2018 às 14:07

O governo chinês assumiu o controlo do Anbang Insurance Group, o maior grupo segurador do país, esta sexta-feira, e informou que o seu chairman, Wu Xiaohui (na foto), foi formalmente acusado de crimes económicos, revela a imprensa internacional.

O conglomerado chinês, que esteve na corrida pelo Novo Banco, violou leis e regulações que podem "colocar seriamente em perigo a solvência da empresa", segundo um relatório da China Insurance Regulatory Commission (CIRC).

A procuradoria de Xangai informou ainda que Wu Xiaohui, que foi detido em Junho, está acusado dos crimes de fraude e abuso de posição, e que o seu caso já foi encaminhado para julgamento.

Durante o período em que o governo assumirá o controlo do grupo – um ano, que começa esta sexta-feira – a empresa será gerida por um grupo de responsáveis da CIRC, do banco central e de outros reguladores financeiros e organismos governamentais.

De acordo com a CIRC, este grupo vai levar a cabo uma reestruturação da companhia, que deverá manter o seu normal funcionamento, "protegendo os direitos e interesses dos consumidores e accionistas".

A Reuters destaca que a decisão da China é um "golpe determinante" para o gigante chinês, conhecido globalmente por ter comprado o famoso Waldorf Astoria Hotel, em Nova Iorque.

A medida sem precedentes também evidencia o quão longe o Partido Comunista está disposto a ir para controlar o risco financeiro no país, enviando uma poderosa mensagem aos gigantescos conglomerados chineses, que têm embarcado numa onda de aquisições.

De acordo com a agência noticiosa, não é claro o que terá desencadeado a decisão, ainda que uma fonte do regulador tenha garantido que o governo já está, na prática, a controlar a empresa desde que Wu foi detido, e que o anúncio público estará relacionado com o timing da investigação ao chairman, que estará praticamente completa.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Detido e não solto 23.02.2018

Reparem bem, a notícia diz que o CEO foi Detido e não diz que foi solto antes diz que o julgamento está marcado
Qualquer semelhança com o nosso BES e BPN é miragem ! nem são detidos (São soltos) nem são julgados . . .

É como na Gulbenkian 23.02.2018

è como na Gulbenkian tambem anda um chinês interessado mas quem está por detrás é o governo chinoca, idem idem aspas aspas para o chinês da TAP ( o que entrou pela porta do cavalo) o chinês da EDP etc etc etc

Anónimo 23.02.2018

nao querem levar tambem a trupe toda que andou anos e anos a "abusar de posicao" na tuga? este paiseco de tótos a beira mal plantado? nem um contantor de 40 pes dava para exportarmos estes nossos gestores de "topo" para terem o tratamento de "reeducação" dado pelo governo chines

Saber mais e Alertas
pub