Energia Governo quer encerrar centrais a carvão e aponta para redução de custos para os consumidores

Governo quer encerrar centrais a carvão e aponta para redução de custos para os consumidores

As metas em termos de descarbonização traçadas pelo Governo fundamentam a intenção de encerrar as centrais a carvão em operação. Embora reconheça que as renováveis estão associadas a rendas excessivas, Matos Fernandes acredita que esta energia está a entrar numa fase benéfica em termos de custos aos consumidores.
Governo quer encerrar centrais a carvão e aponta para redução de custos para os consumidores
Lusa
Ana Batalha Oliveira 19 de março de 2019 às 19:48

O ministro do Ambiente e Transição Energética, João Matos Fernandes, assume como objetivo o encerramento das centrais a carvão, a bem dos objetivos de transição energética. Garante ainda ganhos nos preços da energia para os consumidores decorrentes da prioridade dada às renováveis pelo Governo.  

"Necessitamos, com urgência, e por razões de política climática, de encerrar as duas centrais a carvão", declarou João Matos Fernandes perante a Comissão Parlamentar de Inquérito ao Pagamento de Rendas Excessivas aos Produtores de Eletricidade, esta terça-feira, 19 de março. Quer fazê-lo assim que possível, assegurando a segurança do abastecimento.

Matos Fernandes argumenta que "neste momento, no advento de uma terceira fase, na qual a produção (de fontes renováveis) tem custos inferiores aos do mercado" será possível um "sobreganho para os consumidores" e uma redução dos custos para os mesmos. O governante afirma mesmo que as medidas na agenda do atual Governo "levarão a uma redução do custo para os consumidores".

O ministro da Ambiente reconhece uma associação entre renováveis e rendas excessivas que considera prejudicial para um caminho que "não deve ser interrompido" mas sim "reforçado". "O ambiente crispado que existia no país e que não poderia deixar de condicionar os investidores, situação que vinha já do anterior Governo, obrigava a um discurso político diferente, cuja responsabilidade assumo por inteiro", disse, defendendo que "é fundamental gerar um novo clima de diálogo. E confiança para com os promotores".  

"Sabemos que um país com recursos para gerar 100% da eletricidade que consome, mas que importa 70 milhões de barris de petróleo e que ainda "perde" mais de 400 milhões de euros por ano com subsídios ambientalmente perversos na promoção de combustíveis fósseis, tem de assumir uma política mais ambiciosa", defendeu Matos Fernandes.




pub

Marketing Automation certified by E-GOI