Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Governo espanhol estabelece preço mínimo de 1,1 mil milhões para ENA

O Executivo espanhol estabeleceu um valor de 1,1 mil milhões de euros como preço mínimo para a privatização da Empresa Nacional de Autopistas (ENA), concurso a que a Brisa irá concorrer em consórcio com a Abertis.

Isabel Aveiro ia@negocios.pt 28 de Abril de 2003 às 20:58
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...
O Executivo espanhol estabeleceu um valor de 1,1 mil milhões de euros como preço mínimo para a privatização da Empresa Nacional de Autopistas (ENA), concurso a que a Brisa irá concorrer em consórcio com a Abertis.

A Sociedad Estatal de Participaciones Industriales (SEPI) de Espanha fixou em 1,1 mil milhões de euros o preço base de alienação de 100% do capital da Empresa Nacional de Autopistas (ENA) em que a Brisa está interessada, noticiou hoje a imprensa espanhola.

O presidente da SEPI, Ignacio Ruiz Jarabo assegurou hoje que se algum dos consórcios que está interessado em concorrer à ENA, apresentar uma oferta inferior a 1,1 mil milhões de euros será «automaticamente excluído do processo de privatização», que prevê esteja concluído antes do final do Verão.

Presente na Comisión de Hacienda do Senado espanhol, Ruiz Jarabo adiantou ainda que a SEPI fixará o prazo para apresentação das proposta logo que a sociedade acabe de definir os pormenores do contracto e os mesmos sejam aceites pelos concorrentes.

A concessionária de auto-estradas portuguesa Brisa é uma das empresas que já demonstrou interesse em concorrer à privatização da congénere espanhola ENA, presente em Espanha e no Chile.

A empresa controlada pelo grupo Mello irá concorrer em consórcio com a Abertis, nova entidade surgida da fusão entre a Aurea e a Acesa. A Abertis detém 10% da Brisa, que controla 4% do capital da espanhola.

Na corrida à privatização da ENA encontram-se ainda grupos como a Sacyr, que detém 29,6% da Somague, em consórcio com a Torreal e o Santander Central Hispano; as empresas Acciona e FCC, a concorrer sozinhas, e os agrupamentos formados pela Ferrovial, Europistas, Caja Madrid e Unicaja e o constituído pela OHL e Apax Partners.

Os títulos da Brisa [BRISA] encerraram a 4,90 euros, subindo 2,3%.

Outras Notícias