Empresas Grosvenor assume estratégia defensiva para este ano

Grosvenor assume estratégia defensiva para este ano

A imobiliária britânica Grosvenor, que detém 50% da Sonae Sierra, vai este ano manter uma estratégia defensiva, segundo o seu presidente executivo. Mark Preston disse não esperar que os mercados de crédito recuperem rapidamente, mas acredita que a política de reduzida alavancagem da Grosvenor na banca está bem preparada para este ambiente .
Miguel Prado 16 de abril de 2009 às 17:46
A imobiliária britânica Grosvenor, que detém 50% da Sonae Sierra, vai este ano manter uma estratégia defensiva, segundo o seu presidente executivo. Mark Preston disse não esperar que os mercados de crédito recuperem rapidamente, mas acredita que a política de reduzida alavancagem da Grosvenor na banca “está bem preparada para este ambiente”.

“Em termos da nossa exposição à deterioração contínua das condições económicas, que contamos que seja uma característica dos nossos mercados bem além do final de 2009, estamos posicionados defensivamente, graças à redução da nossa exposição ao desenvolvimento [de novos projectos], que agora é de apenas 15%, comparado com 24,5% há 12 meses e com 28,2% há 24 meses”, comentou o CEO da Grosvenor no relatório anual de resultados do grupo.

Esta redução do investimento em novos projectos face ao capital aplicado em empreendimentos já concluídos resulta, segundo Mark Preston, do término de projectos em Liverpool, Vancouver, Madrid, Brisbane e Tóquio, mas também de “decisões deliberadas de adiar novas inaugurações do grupo”.

A Grosvenor é uma parceira estratégia da Sonae, com quem divide o controlo da Sonae Sierra. No caso do mercado português, os números confirmam a estratégia global de reduzida dependência de novos projectos, num momento em que se notam vários sinais de saturação do segmento de centros comerciais.

Da sua carteira de imóveis, Portugal representa para a Grosvenor investimentos de 870,8 milhões de euros, embora o capital para novos desenvolvimentos não vá além de 21,6 milhões de euros. A construção de novos empreendimentos está a ter uma relevância maior para a Grosvenor em Espanha, onde a imobiliária inglesa tem investimentos de 343,1 milhões de euros e verbas de 136,6 milhões de euros para novas promoções.

A parceria com a Sonae na Sonae Sierra permite à Grosvenor estar presente em centros comerciais espalhados um pouco por todo o país, designadamente na Guia, Albufeira e Portimão (Algarve), Lisboa, Loures, Funchal, Ponta Delgada, Porto, São João da Madeira, Vila Nova de Gaia, Maia, Guimarães, Viana do Castelo, Seixal, Covilhã e Coimbra.

No ano passado a Grosvenor registou um resultado antes de impostos negativo em 593,9 milhões de libras (670 milhões de euros), face a um lucro de 524 milhões de libras (591 milhões de euros) no ano anterior. Em 2008 os activos imobiliários da Grosvenor deram um retorno negativo de 4,1%, depois de em 2007 terem gerado um retorno positivo de 14,4%.