Comércio Grupo Dia quer investir 25 milhões de euros em Portugal este ano

Grupo Dia quer investir 25 milhões de euros em Portugal este ano

a retalhista prevê investir 25 milhões de euros em Portugal na renovação de cerca de 100 lojas, mas também na abertura de novas
Grupo Dia quer investir 25 milhões de euros em Portugal este ano
Sara Ribeiro 22 de fevereiro de 2018 às 13:42

A dona do Minipreço tem planos para abrir novas lojas em Portugal em 2018. E garante que aumento de salário mínimo não tem impacto nas suas contas.

"Em 2018 o Grupo Dia tem planos para investir mais em Portugal face a 2017". A garantia foi dada pelo director executivo de Portugal do grupo, Amando Sánchez, esta quinta-feira, 22 de Fevereiro, durante a conferência de apresentação de resultados em Madrid.

 

No total, a retalhista prevê investir 25 milhões de euros em Portugal na renovação de cerca de 100 lojas, mas também na abertura de novas, "nomeadamente com o formato MinipreçoExpress", que consiste no conceito de lojas de conveniência.

 

O responsável não revelou o número de lojas que pretendem abrir, comentando apenas que "em 2018 vamos voltar a  abrir lojas em todos os formatos".

 

Questionado sobre o impacto do recente novo aumento do salário mínimo em Portugal, Amando Sánchez respondeu que a empresa manteve "sempre  uma posição de colaboração com os sindicatos". E garante que "o salário médio dos trabalhadores do Minipreço é claramente superior" ao salário mínimo. "Por isso", continuou, "é algo que não nos afecta", acrescentou.

 

O Grupo Dia fechou 2017 com receitas de 853 milhões de euros em Portugal, um valor que representa uma ligeira subida de 0,6% face ao ano anterior. De acordo com os dados enviados ao regulador espanhol (CNMV), no final do ano passado a retalhista tinha 630 lojas em Portugal, das quais 333 próprias e 297 em franchising. Números que comparam com os 367 espaços próprios que detinha em 2016 e os 256 em regime de franquia.

* A jornalista viajou a Madrid a convite da empresa




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
Saber mais e Alertas
pub