Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Impresa dispara mais de 10% e Cofina valoriza após Altice comprar TVI

  As acções da Impresa e da Cofina estão a reagir em forte alta à oficialização da compra da Media Capital por parte da Altice, num negócio de 440 milhões de euros.

Bruno Colaço/Correio da Manhã
Nuno Carregueiro nc@negocios.pt 14 de Julho de 2017 às 08:11
  • Assine já 1€/1 mês
  • 2
  • ...

Depois de muitas sessões em alta em reacção os rumores e notícias que davam conta que a Altice iria comprara a Media Capital, as acções da Impresa e da Cofina voltam a negociar em alta agora que o negócio é oficial.

 

A Impresa disparou um máximo de 13,56% para 0,427 euros no arranque da sessão e a Cofina valorizou 3,21% para 0,418 euros, com ambas as cotadas a reagirem ao negócio no sector dos media que foi oficializado esta manhã, com a Altice a confirmar a compra da Media Capital por 440 milhões de euros.

 

A Altice, além de ter acordado a compra dos 95% que a Prisa detêm na Media Capital, lançou uma OPA sobre o restante capital, oferecendo 2,5546 euros por cada acção, um valor que se encontra 18% abaixo da última cotação. A Media Capital, que tem uma reduzida liquidez na bolsa portuguesa, ainda não transaccionou qualquer acção, depois de na quinta-feira ter fechado a sessão nos 3,11 euros.

 

A Impresa tem sido a mais beneficiada com este movimento de aquisições nos media em Portugal, uma vez que os analistas acreditam que a Nos poderá responder à ofensiva da rival Altice e a companhia liderada por Pinto Balsemão é o alvo mais provável.

 

A Impresa acumula uma valorização de 121,05% este ano, apresentando uma capitalização bolsista de 70,6 milhões de euros. A Cofina (proprietária do Negócios) sobe 55,77% em 2017 e está avaliada em bolsa nos 41,5 milhões de euros.  

 

Nas reacções publicadas quando a Altice assumiu que estava a negociar a compra da dona da TVI, os analistas mostraram dúvidas quanto à criação de valor da compra de media por operadoras, mas destacaram que a Impresa seria um alvo.

 
"Assumindo como valido o cenário em que a Altice adquire a Media Capital, somos da opinião que uma nova disputa entre os operadores de Telecom por conteúdos possa intensificar-se", refere o CaixaBI, na nota diária emitida hoje, 14 de Julho.

No cenário de a Altice comprar a TVI, "a Nos será forçada a reforçar os seus investimentos nos conteúdos e não excluímos a possibilidade de a Impresa ser um alvo", afirmou Pedro Oliveira, analista do BPI, a 26 de Junho.

 

Já o Haitong duvida que a Nos entre nesta guerra, considerando que a empresa liderada por Miguel Almeida "pode sempre replicar" este modelo "através de outros operadores de media locais, nomeadamente através de acordos com produção de conteúdos sem a necessidade de comprar qualquer activo". O Haitong considera mesmo que a Nos não terá intenção de comprar qualquer empresa de media.

 

Ambos os analistas destacam também que o negócio de compra da TVI pela Altice poderá não ter racional.

 

"Tal como no caso dos conteúdos de futebol, não consideramos que a compra de uma operadora de televisão crie valor para o sector. Além disso, estamos cépticos sobre a estratégia de valor destes activos para as operadoras de telecomunicações", afirmou Pedro Oliveira.

 

Perspectiva semelhante tem o analista do Haitong, Nuno Matias, que diz "não perceber a lógica" deste tipo de operação, até porque a compra da Media Capital por parte da Altice "poderá resultar apenas na instabilidade no que respeita ao acesso aos conteúdos" de uma "forma desnecessária".  

Ver comentários
Saber mais Media Capital Miguel Almeida Altice Prisa Cofina Nuno Matias Pinto Balsemão
Outras Notícias