Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Lava-Jato: Governo aceita extradição de Raul Schmidt para o Brasil

Depois da luz verde da ministra da Justiça, cabe agora ao Tribunal da Relação de Lisboa decidir judicialmente a extradição de Schmidt, detido pela PJ em Março após suspeitas de intermediar pagamentos indevidos de comissões na Petrobras.

Lusa 03 de Maio de 2016 às 18:10
  • Assine já 1€/1 mês
  • 2
  • ...
A ministra da Justiça aceitou o pedido de extradição para o Brasil do cidadão luso-brasileiro Raul Schmidt (na foto), detido em Lisboa no âmbito da operação Lava Jato, cabendo agora ao Tribunal da Relação de Lisboa decidir judicialmente a questão.

"A ministra da Justiça decidiu pela admissibilidade do pedido de extradição do cidadão luso-brasileiro Raul Schmidt, detido pelos factos anteriores à data em que obteve a nacionalidade portuguesa", informou hoje o Ministério da Justiça em resposta enviada à agência Lusa.

A decisão de Francisca Van Dunem de aceitar o pedido de extradição de Raul Schmidt prende-se com o facto de os alegados crimes praticados pelo suspeito da Operação Lava Jato serem anteriores à aquisição de nacionalidade portuguesa.

O cidadão luso-brasileiro, detido pela PJ em Lisboa em meados de Março, é suspeito no Brasil dos crimes de corrupção e branqueamento de capitais.

O despacho da ministra da Justiça pôs fim à fase administrativa do processo, transitando agora o caso para a fase judicial, no Tribunal da Relação de Lisboa.

A 22 de Março, o Tribunal das Relação de Lisboa (TRL) determinou como medida de coação a prisão preventiva de Raul Schmidt, no âmbito da operação Lava Jato, que investiga crimes económico-financeiros na Petrobras, no Brasil.

Na altura, Raul Schmidt foi ouvido pelo juiz da Relação de Lisboa Agostinho Torres que determinou a sua prisão preventiva, depois de dias antes o sócio de um antigo director da Petrobras ter sido detido, no cumprimento de uma carta rogatória das autoridades brasileiras.

A PJ explicou então que "o detido foi investigado pelo Ministério Público Federal e pela Polícia Federal do Brasil por ter agido como intermediário de operações da Petrobras que levaram ao recebimento indevido de comissões no valor de vários milhões de reais".

A investigação da operação Lava Jato começou em Março de 2014.
Ver comentários
Saber mais lava jato brasil raul schmidt petrobras crime justiça Portugal ministra da justiça francisca van dunem
Outras Notícias