Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Lucro trimestral da Cofina sobe 16% para um milhão de euros

No primeiro trimestre do ano a Cofina aumentou os lucros em 16% para cerca de um milhão de euros apesar das receitas terem caído 2,7% para 23,4 milhões de euros.

Sara Ribeiro sararibeiro@negocios.pt 08 de Maio de 2015 às 17:34
  • Assine já 1€/1 mês
  • 5
  • ...

A Cofina fechou os três primeiros meses do ano com lucros de 1 milhão de euros, o que corresponde a um aumento de 16% face ao mesmo período do ano passado, segundo a informação disponibilizada esta sexta-feira, 8 de Maio, ao regulador do mercado (CMVM).

 

Já as receitas totais caíram cerca de 2,7% para 23,4 milhões de euros "num cenário de contínua retracção de investimento", explica a dona do Jornal de Negócios, Correio da Manhã ou Sábado.

 

O EBITDA (resultados antes de juros, impostos, amortizações e depreciações) seguiu a mesma tendência, tendo decrescido 2% atingindo os 3,1 milhões de euros. No entanto, a margem de EBITDA aumentou em 0,1 ponto percentuais.

 

A circulação e as receitas de marketing alternativo e outros registaram decréscimos de 2,7% e 4,4%, respectivamente, enquanto a publicidade registou uma descida de 1,9%.

 

"Neste contexto, a Cofina prosseguiu a sua política de gestão criteriosa de custos, adaptando a estrutura à realidade do mercado. Assim, os custos operacionais excluindo amortizações, atingiram cerca de 20,3 milhões de euros, o que corresponde

a uma redução de cerca de 3%", detalha o grupo de media no mesmo documento.

 

Quanto ao segmento de jornais, nos três primeiros meses do ano a Cofina registou uma queda das receitas de 1,9% (para 19,2 milhões de euros) e de publicidade em 2,6% (para 5,8 milhões de euros).

 

Pelo contrário, as receitas do Correio da Manhã TV, que estão integradas no segmento de jornais, superaram os 1,7 milhões de euros, o que representa um crescimento de 14% face ao período homólogo do ano anterior.

 

Neste seguimento, o EBITDA deste segmento superou os 3,5 milhões de euros o que representa um crescimento de 1%.

 

No que toca ao segmento das revistas, onde se incluem a Sábado, TV Guia ou a Vogue, os proveitos atingiram cerca de 4,3 milhões de euros, reflectindo um decréscimo de 6,5% face ao período homólogo de 2014.

 

Já a publicidade seguiu o trajecto contrário, tendo crescido 1,2% enquanto as receitas associadas a produtos de marketing alternativo registaram um crescimento de 5%.

 

"Conforme tem vindo a ser realizado, a estratégia de redução de custos que tem vindo a ser implementada permitiu reduzir os custos operacionais em cerca de 200 mil euros, ou seja, cerca de 4%", adianta a Cofina.

 

O EBITDA do segmento de revistas cifrou-se nos 341 mil euros.

 

Quanto às perspectivas para o próximo trimestre, o grupo adianta que "o segundo trimestre de 2014 foi caracterizado pelo Mundial de futebol, o que teve um impacto extraordinário no nível de publicidade desse trimestre".

 

Por essa razão, "o comparativo expectável para o segundo trimestre de 2015 relativamente ao período homólogo de 2014 será afectado por esse evento não recorrente".

Ver comentários
Saber mais Cofina CMVM Jornal de Negócios Correio da Manhã Informação sobre empresas
Outras Notícias