Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Lucros da EDP sobem 36,1% para 350,6 milhões (act2)

A EDP – Energias de Portugal registou resultados líquidos de 350,6 milhões de euros no final do terceiro trimestre deste ano, mais 36,1% do que em igual período do ano passado, ficando abaixo da média das previsões dos analistas. O EBITDA aumentou 10,6%,

Isabel Aveiro ia@negocios.pt 25 de Outubro de 2004 às 21:45

A EDP – Energias de Portugal registou resultados líquidos de 350,6 milhões de euros no final do terceiro trimestre deste ano, mais 36,1% do que em igual período do ano passado, ficando abaixo da média das previsões dos analistas. O EBITDA aumentou 10,6%, para 1,460 mil milhões de euros.

De acordo com os 12 analistas consultados pela Reuters, as estimativas de lucros para a eléctrica portuguesa oscilavam entre 343 e 396,5 milhões de euros nos nove primeiros meses do ano, com o ponto médio em 376,6 milhões de euros.

Em comunicado ao mercado, a administração da EDP explica que «a Produção e o Brasil foram as áreas que mais contribuíram» para o crescimento dos lucros trimestrais num período que considerou de «forte crescimento ao nível operacional».

O EBITDA, ou «cash-flow» operacional, da eléctrica ascendeu a 1,460 mil milhões de euros, mais 10,6% do que nos primeiros nove meses do ano passado. A evolução deve-se exposição de elevado crescimento de elevado crescimento»; «a um controle de custos e melhoria de eficiência»; à «entrada em funcionamento da TER»; «às revisões tarifárias no Brasil»; e à «contribuição da Naturcorp» para os resultados dos primeiros nove meses de 2004.

No total os proveitos e ganhos operacionais do grupo de electricidade ascenderam a 5,312 mil milhões de euros, o que representa um crescimento de 2,4%.

Já os resultados extraordinários passaram de 84,7 milhões de euros positivos no final do terceiro trimestre de 2003 para 62,3 milhões de euros negativos um ano depois. A evolução deve-se, de acordo com o comunicado da eléctrica, a «correcções retroactivas aos aumentos tarifários concedidos à Bandeirante e Escelsa», no valor de 16 milhões de euros, e a «custos associados a rescisões negociadas e a antecipações à pré-reforma», no valor de 22,4 milhões de euros.

Refira-se que a EDP terminou o mês de Setembro com uma redução de 10,7% no número de empregados em Portugal (7.989 pessoas); menos 2,4% na Hidrocantábrico (1.645 pessoas); e menos 4,2% nas suas participadas no Brasil (3.688 pessoas).

EDP Produção lucra 288,5 milhões

Por áreas de negócio, EDP Produção registou proveitos operacionais de 1,085 mil milhões de euros (mais 8,1%) e lucros de 288,5 milhões de euros (tinham sido de 244,4 milhões de euros um ano antes); EDP Energia terminou com proveitos operacionais de 236,3 milhões de euros e prejuízos de 4,6 milhões de euros (contra lucros de 17,6 milhões de euros um ano antes); e a EDP Distribuição encerrou os três trimestres com proveitos operacionais de 2,619 mil milhões de euros (menos 2,5%) e lucros de 61,4 milhões de euros (uma queda face aos 89,8 milhões de euros registados em Setembro de 2003).

Lucros caem em Espanha e melhoram no Brasil

Os proveitos operacionais da Hidrocantábrico, a uma consolidação proporcional de 40% correspondente aos trimestres em causa, foram de 512,1 milhões de euros (quando há um ano tinha sido de 473,1 milhões de euros). Os lucros da participada espanhola ascenderam a 2,5 milhões de euros, bastante menos que os 16,9 milhões de euros obtidos um ano antes.

No Brasil, onde actua através da Bandeirante, Escelsa e Enersul, a EDP obteve proveitos operacionais de 789,6 milhões de euros e lucros de 28,8 milhões de euros. Nos nove primeiros meses de 2003 a actividade da EDP no Brasil tinha representado proveitos operacionais de 696,5 milhões de euros e lucros de 23,6 milhões de euros.

Telecomunicações e tecnologias agravam prejuízos

Já nas telecomunicações, a ONI terminou os nove primeiros meses com prejuízos de 89,9 milhões de euros, pior que os resultados líquidos negativos em 88,6 milhões de euros registados há um ano e proveitos operacionais de 243,2 milhões de euros, um aumento face aos 227,1 milhões de euros obtidos anteriormente.

Nas tecnologias de informação, onde actua através do grupo Edinfor, a EDP teve um prejuízo de 1,3 milhões de euros – exactamente o mesmo valor que tinha lucrado nos primeiros três trimestres de 2004 – e proveitos operacionais de 129,3 milhões de euros, recuando face aos 143,6 milhões antecedentes.

A EDP terminou os nove primeiros meses com 5,782 milhões de clientes em Portugal, 571,368 mil clientes em Espanha, através da Hidrocantábrico e 15,007 milhões de clientes no Brasil.

As vendas de electricidade cresceram 2,4% em Portugal, 1,8% em Espanha e 0,9% no Brasil, segundo a mesma fonte.

Ver comentários
Outras Notícias
Publicidade
C•Studio