Transportes Mais de 150 comboios suprimidos entre até às 12:00 devido à greve

Mais de 150 comboios suprimidos entre até às 12:00 devido à greve

Mais de 150 comboios foram suprimidos entre as 00:00 e as 12:00 desta segunda-feira devido à greve dos trabalhadores da Infraestruturas de Portugal (IP) por aumentos salariais, disse à Lusa uma fonte da CP - Comboios de Portugal.
Mais de 150 comboios suprimidos entre até às 12:00 devido à greve
Lusa 12 de março de 2018 às 13:06
"Num dia normal teriam circulado, até entre as 00:00 e as 12:00, 584 comboios, mas devido à greve da IP realizaram-se 154", segundo a mesma fonte.

No que diz respeito aos serviços mínimos (25%), a fonte da CP adiantou que deveriam ter circulado 159, mas só se realizaram cinco.

Na Fertagus, que faz a ligação ferroviária na Ponte 25 de Abril, entre Lisboa e Almada, entre as 00:00 e as 09:39 circularam 16 dos 21 comboios habituais.

O próximo comboio na ponte só vai circular às 14:58.

Contactada pela agência Lusa, uma fonte da IP remeteu para mais tarde dados sobre a adesão à greve.

Por sua vez, o coordenador da Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans), José Manuel Oliveira, estimou, cerca das 11:00, uma adesão à greve no sector ferroviário superior a 90%, referindo que no sector rodoviário deve estar próximo desse valor.

Os trabalhadores da IP estão hoje em greve para reclamar aumentos salariais de cerca de 4%, encontrando-se a circulação de comboios com "fortes perturbações e supressões", estando salvaguardadas 25% das ligações em Lisboa e no Porto.

Os serviços mínimos definidos prevêem 25% da circulação em Lisboa e no Porto, em horário normal e nos serviços Alfa, Intercidades e Internacionais, bem como no comboio da Ponte 25 de Abril (Fertagus).

José Manuel Oliveira explicou anteriormente à agência Lusa que a paralisação foi convocada porque os trabalhadores das empresas do grupo IP não têm qualquer aumento desde 2009 e consideram que não podem esperar pelo final da negociação do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT).

Os sindicatos reivindicam um aumento imediato na ordem dos 4%, que garanta um mínimo de 40 euros a cada trabalhador.



A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
mais votado Anónimo 12.03.2018

Sobre os caminhos de ferro Deutsche Bahn, da Alemanha: "According to the plans about 5,000 jobs could go in the freight division alone. The state-owned company is working with consultancy McKinsey on the plans which are due to be finished by December and agreed by the supervisory board."

comentários mais recentes
Anónimo 12.03.2018

Patrocina um excedentário a tua vida toda. Vota PS. E porque não dois ou três? Vota geringonça.

Anónimo 12.03.2018

É sinal de que se podem anular 90 comboios por dia o que dá uma recuperação financeira significativa para a empresa. Começar por cumunas e chulos, que são muitos na empresa.

Anónimo 12.03.2018

Um total de até 1400 despedimentos estão planeados na empresa municipal de transportes de Londres por causa de uma ajuizada reestruturação que se impõe aos olhos de todos e o muito responsável e equilibrado presidente eleito da cidade prontamente aprova. Os despedimentos afectarão o sobredimensionado e obsoleto departamento de engenharia, extremamente caro e ineficiente tal como está montado e estruturado, assim bem como determinados departamentos do próprio metropolitano de Londres - London Underground. Ao que se sabe, a Inglaterra progride e avança, dona do seu próprio destino, e ainda dá cartas no mundo. Já outros... "Up to 1,400 job losses are planned at Transport for London because of spending cuts, according to unions. The cuts will affect engineering and parts of London Underground, said the Rail, Maritime and Transport union." (7 de Novembro de 2017) www.mirror.co.uk/news/politics/1400-job-losses-transport-london-11481728

Anónimo 12.03.2018

No Primeiro Mundo, faz-se boa gestão de recursos humanos, combate-se o excedentarismo com prontidão e dessa forma a economia prospera e desenvolve-se para outros patamares que não aqueles a que Portugal e Grécia sob resgate se auto-impuseram por manifesta falta de seriedade e discernimento de políticos e outros seus líderes. "Os Caminhos de Ferro Federais Suíços anunciaram que irão executar um corte adicional de 300 colaboradores na empresa em relação ao que a organização já havia anunciado no último ano no decorrer do seu programa de redução de custos denominado RailFit20/30. No total, 1400 postos de trabalho estão destinados a desaparecer da organização até 2020" ("Swiss Federal Railways says it will make 300 more job cuts than it had announced last year under its ‘RailFit20/30’ cost-savings programme. In all, 1,400 jobs are now slated to be on the chopping block by 2020") https://www.swissinfo.ch/eng/business/cost-savings_swiss-railways-announces-further-job-cuts-by-2020/42465444

ver mais comentários
pub