Imobiliário Mapa: Odivelas, Amadora e Matosinhos lideram subidas nos preços das casas

Mapa: Odivelas, Amadora e Matosinhos lideram subidas nos preços das casas

A avaliação bancária aumentou, em todos as cidades, no ano passado. Odivelas, Amadora e Matosinhos foram as cidades onde se verificaram as maiores subidas da avaliação usada pelos bancos no crédito. Pelo contrário, Barcelos, Gaia e Porto registaram os menores avanços.

1.150 euros. Este é o valor de cada metro quadrado em Portugal. Trata-se do valor mais elevado desde Maio de 2011, mês marcado pela chegada da troika. Considerando as principais zonas urbanas do país, o valor que é usado como referência pelos bancos para a concessão de crédito aumentou, em média, quase 9%, em 2017, o que representa o melhor ano desde 2011.

Pelo nono mês consecutivo, a avaliação bancária aumentou, em Dezembro. Atingiu os 1.150 euros por metro quadrado, completando uma subida de 4,5% face ao mesmo mês de 2016. No entanto, se forem consideradas as principais zonas urbanas do país, a subida é ainda mais expressiva: atinge os 8,93%. No ano anterior, tinha avançado 7,03%, pelo que 2017 foi o melhor ano para a avaliação bancária desde que o INE começou a divulgar os dados, em 2011.

"A sanidade do mercado imobiliário português" é o factor que justifica esta evolução positiva, considera Luís Lima. Para o presidente da Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP), "estes valores reflectem a confiança do sector financeiro no mercado, bem como a sua abertura à concessão de crédito".

Já Rui Serra acredita que há cinco factores a justificar esta evolução.  Além da "maior disponibilidade de crédito por parte dos bancos", o economista-chefe da Caixa Económica Montepio Geral aponta a "melhoria da situação da economia portuguesa", a "crescente importância do turismo nos centros das principais cidades", "uma maior atractividade do país em termos internacionais" e o facto de o peso das transacções "resultantes de execuções hipotecárias (são feitas normalmente a desconto) estar a descer também pressiona em alta os preços".

A carregar o vídeo ...


Há risco de "bolha"?

Odivelas, Amadora e Matosinhos foram as cidades que registaram a maior subida da avaliação bancária: 16,5%, 16% e 12,3%, respectivamente. "Em termos nacionais, dificilmente teremos uma bolha imobiliária. Mas não há dúvidas de que, em determinadas zonas de Lisboa, Porto e Algarve, há já localizações em que se está a entrar neste território, gerando pequenas bolhinhas que são acentuadas com a inexistência de ‘stock’ que dê resposta à procura", adianta o presidente da APEMIP. Também Rui Serra explica que, a nível nacional, "não existem sinais de uma sobrevalorização dos preços das casas", "mas poderá haver sempre preços localmente especulativos (como tem acontecido em alguns bairros de Lisboa)". 




pub

Marketing Automation certified by E-GOI